racismo

Lux Frágil reage a polémica: "Não achamos justo ser acusados de discriminação"

A discoteca lisboeta foi acusada de racismo pela atleta Patrícia Mamona, que diz ter-lhe sido negada a entrada no espaço.

A discoteca Lux Frágil defendeu-se, esta sexta-feira, das acusações de Patrícia Mamona, ex-campeã europeia de triplo salto, a quem foi "barrada" a entrada no estabelecimento e que afirma ter sido alvo de racismo.

"Não gostámos, não queríamos e não achamos justo que o Lux Frágil tenha sido acusado de discriminação", escreveu a discoteca na sua página de Facebook, acrescentando que defende, no entanto, o direito à liberdade de ser dito "aquilo que não queremos ouvir".

O cumprimento de um 'dress code' estrito, o facto de a discoteca estar cheia ou a falta de convite podem levar os seguranças de espaços de diversão noturna a impedir a entrada no espaço.

Patrícia Mamona conta que lhe foi dito que o grupo de amigos não se enquadrava no "perfil" da discoteca. A atleta relata que houve, no entanto, outras pessoas que entraram na discoteca "de chinelos e sem convite", acreditando, por isso, ter sido "tratada de forma diferente".

  COMENTÁRIOS