Mais de metade dos jovens já sofreu violência no namoro. E a maioria acha natural

Em causa estão casos de violência psicológica, violência exercida através das redes sociais ou atitudes de controlo sobre vestuário, hábitos de convívio e outros comportamentos.

Mais de metade dos jovens que namoram ou namoraram dizem já ter sofrido uma qualquer forma de violência por parte do companheiro e 67% acham isso natural.

Em comunicado, o gabinete da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade adianta que o Estudo Nacional sobre a Violência no Namoro 2019 revela que "58% de jovens que namoram ou já namoraram reportam já ter sofrido pelo menos uma forma de violência por parte de atual ou ex-companheiro/a".

Por outro lado, "67% de jovens consideram como natural algum dos comportamentos de violência", sendo que o estudo, conduzido pela União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), demonstra que existe uma "elevada prevalência e legitimação de formas especificais de violência".

Em causa estão casos de violência psicológica, violência exercida através das redes sociais ou atitudes de controlo, seja sobre vestuário, hábitos de convívio ou outros comportamentos.

Um outro estudo promovido pela associação Plano i mostra que a maioria das vítimas tem cerca de 20 anos e formação universitária. Em 90% dos casos, as vítimas são do género feminino, mas também as mulheres praticam violência no namoro.

Entre os jovens questionados pela Plano i, 34% admitiram ter comportamentos violentos durante ou depois do namoro.

Só no último ano, a PSP recebeu quase 120 queixas por violência no namoro de jovens com menos de 18 anos - que representa um aumento das denúncias neste tipo de crime. A associação Plano i alerta, no entanto, que muitos casos não são denunciados às autoridades porque as vítimas não reconhecem a gravidade das agressões.

Aproveitando o facto de se assinalar o Dia dos Namorados, o Governo apresenta esta quinta-feira a campanha #NamorarMemeASério, pela eliminação da violência no namoro, com o objetivo de identificar alguns dos comportamentos que são demonstrativos de situações de violência, seja física, psicológica ou sexual.

A campanha é lançada em conjunto com várias organizações não-governamentais (ONG) e federações académicas, além da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) e conta com o rosto de algumas figuras públicas e influenciadores digitais seguidos pelo público mais jovem, que lançam alertas sobre as atitudes de namorados ou namoradas.

"Se não gosta que uses maquilhagem", "se a discussão acaba sempre com uma ameaça", "se te humilha frente a outras pessoas" ou "quando te proíbe de falar com outras pessoas", são sinais de violência que a campanha pretende combater.

"Se o teu namorado ou namorada tem atitudes que te deixam desconfortável, com o objetivo de te controlar, dominar ou humilhar, isso é um sinal de que algo está errado e isso não é um namoro a sério", é uma das mensagens principais da campanha.

A campanha salienta ainda que a violência é crime público e que, por isso, cabe a todos denunciá-lo, podendo essa denúncia ser feita para o número 800 202 148.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de