Especial Incêndios

Especial TSF Incêndios 2017
Sociedade

Monchique pede medidas de exceção pós-incêndios

O autarca de Monchique considera "ridículas" as verbas previstas na portaria para execução dos trabalhos.

O município de Monchique considera que o Governo deveria abrir uma situação de exceção para atribuir mais verbas para trabalhos no terreno.

Dos 4,5 milhões disponibilizados para estabilização de emergência de solos após os incêndios para os quatro concelhos afetados pelos incêndios de agosto (Monchique, Silves, Portimão e Odemira), Monchique terá 2,7 milhões.

No entanto, cada beneficiário poderá usufruir apenas de 2 milhões no espaço de seis anos em que dura o PDR 2020, Programa de Desenvolvimento Rural. E Monchique já se candidatou anteriormente e obteve financiamento.

Rui André, presidente da Câmara Municipal de Monchique, entregou em mãos uma carta ao ministro da Agricultura, pedindo que, neste caso, fosse aberta uma exceção, mas, ao que tudo indica, nada será alterado.

"Resta-nos apenas 1,1 milhões de euros euros. Estamos a consumir uma verba na totalidade em resposta a uma catástrofe", diz o autarca, sublinhando que até 2020 não poderá candidatar-se mais a verbas para intervenção na floresta. Rui André pede, por isso, uma "medida de exceção".

Para contornar a situação, a autarquia de Monchique vai apresentar a candidatura conjuntamente com as juntas de freguesia do concelho para assim poder subir o montante de apoio. Irá candidatar-se igualmente a verbas do Fundo Ambiental.

Rui André considera também que os valores definidos na portaria para execução dos trabalhos ficam muito aquém do desejável. "Só para ter uma ideia, está previsto 150 euros para um hectare de cortar a madeira e fazer o seu espalhamento. É ridículo", afirma.

O secretário de Estado das Florestas já escreveu ao autarca dizendo que, no futuro, estes montantes.

Entretanto, durante quatro a cinco meses, há trabalhos urgentes para fazer no terreno após o incêndio de agosto: estabilização dos taludes, limpeza dos terrenos e remoção de árvores, estabilização do solo e intervenção nas linhas de água.

  COMENTÁRIOS