Guilherme Pinto: 1959-2017

O presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, morreu hoje de madrugada, vítima de doença prolongada. O funeral realiza-se na segunda-feira, às 15:30h.

"Guilherme Pinto morreu em casa, junto da família e de modo tranquilo, após mais de dois anos de luta contra a doença", refere o comunicado da autarquia, acrescentando que o velório decorre no salão nobre dos Paços do Concelho a partir das 9h de hoje.

Na segunda-feira, o corpo sairá pelas 15:30h para a igreja do Senhor de Matosinhos, onde terá lugar uma missa celebrada pelo bispo do Porto, António Francisco dos Santos.

O autarca apresentou no início da semana o pedido de renúncia ao mandato, devido ao seu estado de saúde, uma decisão que produziria efeito a partir de 1 de fevereiro.

Na terça-feira, um dia depois de renunciar ao mandato (o terceiro que cumpria), Guilherme Pinto anunciou o seu regresso formal ao PS, que deixou em 2013 para apresentar uma candidatura autárquica independente com a qual venceu as eleições desse ano.

O regresso, explicou, surgiu "em sinal de agradecimento" pelo apoio recebido do partido, "sem trair o estatuto de independente com que se apresentou nas eleições autárquicas de 2013".

"Isto é algo que só foi possível graças a António Costa e à relação excecional que mantenho com ele", afirmou Guilherme Pinto, que viu a sua ficha de reingresso assinada pelo próprio secretário-geral do partido e pelo presidente da Federação Distrital do Porto, Manuel Pizarro.

Guilherme Pinto apresentou também o pedido de demissão de diversos cargos que desempenhava, nomeadamente a presidência do Fórum Europeu de Segurança Urbana, a presidência do Conselho de Administração da Rede Europeia das Cidades e Escolas de Segunda Oportunidade e a presidência da Casa da Arquitetura.

O socialista José Luís Carneiro destaca o espírito ágil e a inteligência de Guilherme Pinto.

00:0000:00

O autarca iria encabeçar a Comissão de Honra da candidatura socialista da deputada Luísa Salgueiro à Câmara de Matosinhos.

Em declarações à TSF, o socialista José Luís Carneiro destaca"a inteligência, cultura e o serviço público que valorizou no desempenho das suas funções e o contributo que Guilherme Pinto deu ao país".

A Câmara de Matosinhos tinha marcada para este sábado, dia 7, a cerimónia que assinalava a renúncia ao mandato do presidente Guilherme Pinto com a inauguração da requalificada Rua Alfredo Cunha e o lançamento de várias obras idealizadas pelo autarca.

Na entrevista que deu à TSF no dia 6 de janeiro, dizia: "Tive uma vida boa. Se amanhã acontecer qualquer coisa, não tenho nada para pôr no livro de reclamações".

Guilherme Pinto anunciou o seu regresso formal ao PS, um dia depois de renunciar ao mandato de presidente da Câmara de Matosinhos. O autarca divulgou ter assinado "a ficha de adesão ao PS, voltando a ser militante do partido em cujas fileiras realizou a maior parte da sua carreira política".

Militante 10.575, número que agora recupera, o autarca integrou o Conselho de Jurisdição Nacional da Juventude Socialista, foi membro da Comissão Nacional do PS, da Comissão Política da Federação Distrital do Porto e do Gabinete de Estudos, presidente da Comissão de Jurisdição da Federação Distrital do Porto e da Comissão Política de Matosinhos e secretário coordenador do PS de Matosinhos.

Por motivo de doença, que o afeta há cerca de dois anos, o presidente da Câmara Municipal de Matosinhos apresentou o pedido de renúncia ao atual mandato autárquico, que produziria efeito a partir de 1 de fevereiro.

O autarca, que renunciou ao seu terceiro mandato, irá encabeçar a Comissão de Honra da candidatura da deputada socialista Luísa Salgueiro à autarquia.

Vice-presidente da Câmara de Matosinhos desde 2001, Guilherme Pinto apresentou, pelo PS, a sua primeira candidatura à liderança da autarquia em julho de 2005, numa altura em que profundas clivagens haviam marcado o PS local.

Nas últimas eleições autárquicas, em 2013, Guilherme Pinto apresentou-se como independente contra o líder da concelhia do PS e presidente da Junta de Freguesia de Matosinhos, António Parada.

Guilherme Pinto venceu por maioria absoluta as eleições de 2013, pondo fim àquele que era um bastião socialista há 37 anos.

Continuar a ler