Morreu Moniz Pereira, o "Senhor Atletismo"

Figura histórica do Sporting morreu hoje aos 95 anos, anunciou, através do Facebook, o clube que representou como dirigente, treinador e atleta.

O professor, atleta e treinador foi praticante de várias modalidades e conhecido, especialmente, como técnico de atletismo, tendo treinado vários 'campeões' pelo Sporting como Carlos Lopes, Fernando Mamede, Domingos Castro e Dionísio Castro.

Antigo diretor do Estádio Nacional, Moniz Pereira foi diretor técnico da Federação Portuguesa de Atletismo e Selecionador Nacional de Atletismo.

Mário Moniz Pereira, nascido a 11 de fevereiro de 1921, em Lisboa, foi a referência do atletismo nacional no pós-guerra, especialmente depois do 25 de abril. Sempre ao serviço do Sporting, de que era sócio número 2, e muitas vezes com a 'camisola das quinas'. Mas, fazendo da defesa do atletismo uma constante.

Pelo Sporting foi, sucessivamente, atleta, seccionista, treinador e, por fim, vice-presidente, a partir da direção de Santana Lopes.

Acabado o Liceu, entrou para o INEF, actual Faculdade de Motricidade Humana. Já depois da II Guerra Mundial, dava aulas como assistente e iniciava os primeiros passos como treinador no clube.

O contacto com o estrangeiro, a partir de 1948, deu-lhe experiência.

A consagração, só veio depois de 1974, e quando já centenas de atletas lhe tinham passado pelas mãos.

Conseguiu para os seus atletas a dispensa de meio - dia de trabalho e isso foi o arranque para uma verdadeira "avalanche" de sucessos, com destaque para os títulos olímpicos e os recordes mundiais.

O comando direto do atletismo do Sporting deixou-o após Barcelona"92.

Marcelo Rebelo de Sousa já lamentou a morte de Moniz Pereira. Numa nota publicada, este domingo, na página 'online' da Presidência da República, o chefe de Estado lembra o "homem bom, que deixa uma vida repleta de bons exemplos, de devoção ao Desporto e aos desportistas, tendo ele próprio sido uma glória do atletismo nacional".

Na nota, o Presidente da República considera ainda que, "na véspera dos Jogos Olímpicos, o seu exemplo reforça ainda mais a vontade de todos os desportistas nacionais de se superarem e obterem resultados que o honrem e o recordem como grande motivador do nível que o nosso atletismo e nosso desporto têm atingido".

Também o presidente da Federação Portuguesa de Futebol classificou a morte de Moniz Pereira "uma enorme perda para o desporto português".

Em comunicado, Fernando Gomes sublinha o "grande símbolo do ecletismo e do Sporting, foi um praticante destacado de diversas modalidades, com particular destaque para o voleibol e atletismo. Um incomparável professor. Um treinador fazedor de grandes campeões, além de um dirigente histórico do Desporto português".

Ouvido pela TSF, Abreu Matos, antigo selecionador que trabalhou vinte anos com Moniz Pereira, recorda um homem que vai ser sempre uma referência do desporto português e para o atletismo.

Abreu Matos, antigo selecionador, recorda o homem com quem trabalhou vinte anos.

00:0000:00

Moniz Pereira era também um escritor de canções que um dia se aventurou, em janeiro de 2009, a dar voz à melodia na playlist da TSF.

Moniz Pereira e "Valeu a Pena".

00:0000:00

Moniz Pereira explicou que o seu maior sucesso foi Valeu a Pena, uma canção com 23 versões e celebrizada por Maria da Fé.

A sua ligação ao fado levou a Federação Portuguesa de Atletismo a publicar, este domingo à noite, no Facebook, imagens de Moniz Pereira a cantar. Uma homenagem ao som de "Valeu a Pena".

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de