Lisboa subterrânea

Os túneis de água de Lisboa escondem segredos do Marquês de Pombal

Dois investigadores exploraram as galerias esquecidas do Aqueduto das Águas Livres, publicando em "A Lisboa Subterrânea do Marquês de Pombal".

Pedro Costa e Fernando Teigão dos Santos estão já equipados de capacete vermelho. Habituados às subidas e descidas aos túneis de água no subsolo de Lisboa, não entram nas galerias sem equipamento de segurança.

Os próximos metros vão ser percorridos em fila indiana debaixo da cidade de Lisboa. O investigador Pedro Costa faz uma pausa para explicar que aquela saída vai dar ao chafariz da Rua do Século, junto à casa onde nasceu o Marquês de Pombal.

O marquês foi acusado em tribunal de se apropriar da água do chafariz através de canalizações subterrâneas para fazê-la chegar ao palácio. "Quando começamos a consultar fontes bibliográficas, confirmámos que havia um abastecimento do chafariz para o Palácio do Marquês de Pombal", explica.

Foram investigando e encontraram histórias semelhantes noutros locais da cidade. "Por exemplo nas Janelas Verdes, em que em frente a um chafariz, também lá está um palácio que foi do Marquês de Pombal. Também fomos ao Carmo, onde vimos que existia um chafariz e prédios que eram do Marquês de Pombal. Será que isto se repete pela cidade? Temos que investigar".

Consultaram fontes bibliográficas dos arquivos e textos da época mas a pesquisa só ficaria completa se fossem realmente ao terreno. Calçaram as galochas, puseram os capacetes e começaram a explorar as galerias subterrâneas esquecidas em Lisboa.

"Estes senhores vieram fazer uma visita comigo. Apareceram-me no meio de um grupo numa visita guiada com uma série de perguntas sobre o Palácio do Marquês de Pombal. E como é que a água chegava ao Palácio do Marquês de Pombal", recorda Bárbara Bruno, historiadora no Museu da Água.

Bárbara Bruno estranhou as perguntas mas percebeu que o projeto tinha pernas para andar quando os investigadores voltaram a pedir informação.

"Envolveram-se mais umas pessoas neste projeto e, a dada altura, passou de uma visita guiada para uma prospeção daquilo que era o abastecimento aos palácios, aos conventos. No fundo aquilo que era o abastecimento de água no século XVIII e depois a dada altura no século XIX desta infraestrutura e deste grande monumento que é o Aqueduto das Águas Livres".

Até ao século XVIII, o abastecimento de água em Lisboa era feito através de cisternas e poços. Com a chegada das águas livres a determinadas áreas da cidade, a luta pelo poder deste bem necessário fez-se entre as mais altas patentes. "Estamos a falar da nobreza, alta burguesia, a própria realeza - quiseram aquilo que já existia noutras cidades europeias que era ter as suas próprias residências, os seus próprios palácios abastecidos por águas livres sem terem a necessidade de mandar o criado até à fonte ou até ao poço buscar água", explica Fernando Teigão dos Santos.

O investigador quis perceber como as relações de influência foram fundamentais para famílias específicas conseguirem ter água em casa mas com o passar do tempo estes vestígios ficaram esquecidos.

Até ao século XX, criaram-se alternativas para abastecer a cidade de Lisboa e as quatro galerias urbanas - o Loreto, a Esperança, as Necessidades e Santana - acabaram por ser desativadas.

"Ao longo de um século houve um certo apagamento. A transformação urbana da própria cidade engoliu estes locais e, portanto, nós somos quase investigadores-detetives atrás de pistas perdidas no tempo, para tentar perceber se aquelas ligações aqueles palácios, aqueles conventos ainda lá estão. E alguns casos ainda lá estão, o que é surpreendente".

Bárbara Bruno, a guardiã das chaves dos túneis esquecidos, não teve forma de abrir algumas portas. Não foi propriamente um problema para Pedro Costa e Fernando Teigão dos Santos. "Foi preciso recorrer a um método menos convencional para ultrapassarmos um bloqueio que existia", refere Teigão dos Santos.

Pedro Costa conta que tiveram de fazer rappel, trepar, atravessar locais alagados e ultrapassar barreiras de pedras "colocadas algures no tempo para impedir, provavelmente, o acesso de dentro do palácio para a galeria", tendo mesmo a encruzilhadas.

"Vimos uma parede, um pano de tijolo feito, algo recente e reparamos que num canto havia um sítio mais frágil e resolvemos, com algo que tínhamos na mochila, abrir um pequeno buraco para ver onde é que ia dar. Primeiro batemos, chamámos, ninguém nos ouviu e abrimos um pequeno buraco e percebemos onde estávamos".

Estavam dentro do Palácio Carvalhos, um edifício seiscentista construído por Sebastião de Carvalho e Melo, avô do Marquês de Pombal. "O primeiro enigma está desvendado, depois vieram outros".

Os investigadores foram explorando galeria atrás de galeria, algo "aterrorizador" para Bárbara Bruno. A historiadora explica que "quando veem um obstáculo eles não se ficam por aí. Se há uma porta fechada não faz mal porque se houver um buraquinho, passam por cima do buraco literalmente".

A historiadora considera que foi esse interesse que os levou as conseguirem resultados que deram origem ao livro "A Lisboa Subterrânea do Marquês de Pombal", apresentado a 5 de dezembro na Mãe de Águas das Amoreiras.

Os investigadores percorreram cerca de sete quilómetros mas acreditam que há mais para explorar. Querem continuar a descobrir galerias subterrâneas e os segredos esquecidos da cidade de Lisboa.

  COMENTÁRIOS