Transportes

Proposta do PS e PSD "não vem ao encontro do veto do Presidente da República"

Responsável da ANTRAL explica à TSF que proposta em relação às plataformas de transporte por ser o fim dos táxis.

Confrontado com as alterações propostas por PS e PSD, Florêncio Almeida, da ANTRAL, a Associação Nacional Transportes Rodovários Automóveis Ligeiros, garante que não era isto que Marcelo Rebelo de Sousa pretendia quando devolveu ao Parlamento a lei.

Para Florêncio Almeida, o que as novas propostas pretendem é liberalizar totalmente o setor do táxi e avisa que o resultado pode mesmo ser o fim dos táxis em Portugal.

​Esta proposta, avisa, não pode passar.​ "Isto não vem ao encontro do veto do Presidente da República, os táxis nunca poderão ficar discriminados em relação a estas plataformas. O que o Presidente da República vem dizer é que há uma grande discrepância na legislação entre as plataformas e os táxis", explicou, referindo que "nunca poderá haver uma concorrência sã e leal", justificou em declarações à TSF.

​​Como contrapartida à proposta de PS e PSD, o que Florêncio Almeida sugere é que se estabeleça um ​limite máximo de carros ao serviço de empresas como a Uber.

Para isso dá o exemplo de Espanha onde, mesmo assim, diz, a lei tem de ser melhorada.

  COMENTÁRIOS