Redes Sociais

Quem vamos queimar hoje? A nova inquisição arde-nos na ponta dos dedos

O escritor Nelson Nunes propôs-se a fazer um retrato honesto dos ataques cometidos nas redes sociais para denunciar as queimas públicas que por lá acontecem. A TSF esteve à conversa com o autor para perceber como funciona esta nova inquisição.

Não são precisos fósforos nem combustíveis inflamáveis para acender a fogueira da inquisição digital. Basta uma publicação ou uma atitude que fuja aos valores sagrados da sociedade para o tribunal das redes sociais decidir queimar - com likes, comentários e emojis zangados - quem ousa pensar diferente.

Foi para denunciar estes autos de fé modernos que Nelson Nunes decidiu escrever o livro "Quem Vamos Queimar Hoje?", uma obra que expõe - através de testemunhos de figuras mediáticas - a forma como as redes sociais promovem a inquisição digital e o public shaming.

Figuras como Nuno Markl, Carolina Patrocínio e Maitê Proença contaram a Nelson Nunes como viram os seus nomes denegridos nas redes sociais e como lidaram com as consequências desse ódio.

"O que eu quis fazer foi ouvir estas pessoas que disseram qualquer coisa que não é aceitável para a maioria e perceber, em primeiro lugar, o que é que essas pessoas quiseram dizer e, depois, como é que é sofrer na pele com uma onda de indignação daquele tamanho", diz o autor à TSF.

Indignações breves, marcas para toda a vida

Nelson Nunes propõe um exercício: "Se nos tentarmos lembrar das polémicas que aconteceram agora no mês de outubro, provavelmente não nos vamos lembrar de todas. Ao passo que, para quem as sofreu, essa pena é perpétua."

É o caso de Gonçalo Morais Leitão que, explica o escritor, "por fazer umas autopromoções na RTP relacionadas com futebol, viu a vida privada toda exposta em fóruns e ameaças veladas de morte e de porrada e fotografias dos filhos a circular por esses fóruns."

As indignações passam, mas a imagem dos alvos fica manchada para sempre, mesmo quando as acusações não são verdadeiras.

"O Henrique Raposo, por exemplo, escreve crónicas no Expresso há anos, tem imensos livros, é um tipo muito ouvido por muita gente, mas para muita gente é o tipo que escrever um livro a atacar o Alentejo - o que nem sequer é verdade."

Denunciar para calar

Se, hoje em dia, é mais fácil ter uma voz pública, há também grupos organizados para "aniquilar a voz dos inimigos nessas plataformas digitais."

"Essas pessoas marcam à mesma hora a denúncia de um post e o post é imediatamente mandado abaixo pelo Facebook, porque há cinquenta pessoas que estão aos gritos a dizer que aquilo é, por exemplo, conteúdo pornográfico, quando na verdade é uma fotografia totalmente inócua ou é um texto que não é discurso de ódio."

A humorista e ativista Cátia Domingues foi uma das entrevistadas do livro e contou ao autor que, depois de se conseguir infiltrar num desses grupos, encontrou comentários assustadores.

A humorista e ativista Cátia Domingues é a criadora do blogue One Woman Show e autora de rubricas do Canal Q como "O Jogo do Tanso" e "Caçadora de Mitos"

"Li de tudo: que me iam rebentar, que eu merecia era ser apanhada e ser violada, que me iam esfrangalhar. Foi demasiado explícito", pode ler-se em "Quem Vamos Queimar Hoje?".

O policiamento das redes sociais e o medo de eventuais retaliações levam a uma autocensura de quem tem realmente coisas para dizer.

"Eu conheço muita gente que decide conscientemente não dizer nada nas redes sociais, porque sabe que poderá eventualmente levar com algum tipo de indignação. O mesmo acontece com empresas."

O contraditório existe nas redes sociais?

O autor de "Quem Vamos Queimar Hoje?" defende que não e explica porquê: "Aquelas pessoas são alvo de enxovalho e vilipêndio e não têm direito a defender-se. Ou até têm direito a defender-se, mas ninguém lhes presta a mesma atenção ao contrário do que acontece, por exemplo, no jornalismo, onde há direito ao contraditório, ou nos tribunais onde há direito à defesa."

Ainda assim, Nelson Nunes acredita que os alvos destas indignações acabam por sair das polémicas de cabeça erguida.

O prefácio do livro é assinado por Nuno Markl, que foi também alvo de ódio na internet, com pessoas a trocarem informações sobre o sítio onde vivia e a combinarem espancamentos.

"Apesar de terem sofrido muito e de terem tido medo, a ideia que me dá é que eles acabam por sair por cima, porque as coisas passaram, a indignação passou e hoje nós olhamos para eles e parece que há um certo tom de 'Aquilo tudo foi um disparate, estas pessoas não disseram uma coisa assim tão grave e se calhar até tinham razão naquilo que estavam a dizer.'"

Para pensar, discutir e tirar conclusões é preciso tempo: um tempo que não existe nas redes sociais.

"O facto de as redes sociais funcionarem na base do imediato e não termos tempo para pensar nas coisas, e de reagirmos muito à pele perante aquilo que foi dito, faz com que muitas vezes digamos coisas que são injustas."

Maitê Proença não voltou a Portugal depois de, há nove anos, ter circulado nas redes sociais um vídeo satírico da atriz brasileira durante uma visita a Portugal.

Para Nelson Nunes, as perspetivas de debate aberto e livre que as redes sociais trouxeram não se materializaram: "Não há, contrariamente ao que as redes sociais prometiam, uma partilha de ideias concreta, o que há é que as pessoas gritam cada coisa para seu lado e, por muito que conversem nas caixas de comentários, aquilo nunca é muito bem uma conversa. Não há a parte fundamental do diálogo que é ouvir. As pessoas têm uma coisa na cabeça e gritam-na ininterruptamente umas às outras. O resultado de um debate na internet nunca vai resultar em concórdia de ambas as partes."

A janela do ecrã e a janela da sala

Se dedicar meia hora do seu dia a perscrutar as caixas de comentários do Facebook, certamente encontrará declarações de ódio que nunca ouviu da boca de ninguém.

"Nós olhamos para a rua e, ainda bem, vivemos num sítio civilizado, mas olhamos para a internet e para as pessoas com quem nos cruzamos todos os dias e parece o Faroeste. Parece que vivemos no Médio Oriente e que anda tudo aos tiros. Esse desfasamento intriga-me bastante e eu não tenho explicações para ele."

O livro é apresentado esta terça-feira, às 19h00, pelo humorista Ricardo Araújo Pereira no El Corte Inglés em Lisboa

Calçar os sapatos do outro e caminhar sobre eles é a proposta de Nelson Nunes para uma vida digital mais saudável.

"O que eu quis fazer no livro foi passar a mensagem de que temos que ter mais calma e temos que ser mais empáticos com o outro e ouvir mais, porque as redes sociais também se baseiam muito em gritar opiniões e não ouvir as dos outros."

"Quem Vamos Queimar Hoje?" é apresentado, por Ricardo Araújo Pereira, esta terça-feira, às 19h00, no El Corte Inglés de Lisboa.

  COMENTÁRIOS