Via do Infante

Sete anos de protestos: "Vamos continuar até que a voz nos doa"

Os manifestantes quiseram assinalar a data da entrada em vigor das portagens na Via do Infante. Vestiram-se com coletes amarelos e entregaram panfletos aos automobilistas onde diziam ser " imoral e um crime a PPP da Via do Infante receber anualmente 70 milhões de euros.

Há sete anos que protestam e nem o pouco ou nenhum êxito que têm obtido os faz baixar os braços. Mais uma vez vieram para a rua desta vez com coletes amarelos.

"Tendo em conta o que se passa em França, com protestos contra a discriminação e pela justiça, para fazer lembrar ao governo que travamos esta luta há 7 anos pela abolição das portagens", diz João Vasconcelos. O também deputado do Bloco de Esquerda tem estado sempre à frente destas manifestações.

Os manifestantes, não mais de 20, quiseram assinalar a data da entrada em vigor das portagens na Via do Infante lembrando que a Estrada Nacional 125 não é alternativa e um local de constante sinistralidade. "Basta ver que em relação ao ano passado há mais 10 mortos", sublinha. "É sinal que alguma coisa está mal. Vamos persistindo até que a voz nos doa", garante.

Outro manifestante lamenta que os utentes andem a pagar por uma estrada, a A 22, que não tem qualquer qualidade." Tem buracos, tem lombas e ainda por cima temos que pagar".

Vestido com o seu colete amarelo, o mais velho dos manifestantes raramente falha a uma iniciativa da Comissão de Utentes da Via do Infante e hoje, também quis estar presente." Tenho 87 anos e estou na luta." Para este homem 7 anos de manifestações não é demais " Levámos 50 anos para derrubar o fascismo mas derrubámos", sublinha.

  COMENTÁRIOS