TSF À Mesa

Tasca das Tias Camellas: velha tasca coimbrã recriada em hotel elegante

Em pleno século XIX, uma taberna, dirigida por manas que ficaram na história coimbrã, era o centro da boémia de Coimbra. O ambiente da velha tasca foi recriado e o nome dado ao restaurante, com pratos da cozinha portuguesa, apresentados com modernidade.

Cidade do saber e do conhecimento, Coimbra é cada vez mais procurada pelos turistas, que se misturam com a população estudantil na zona da Universidade que é Património Mundial da Humanidade.

A curta distância da Biblioteca Joanina, a Tasca das Tias Camellas, integrada no Sapientia Boutique Hotel, recria, de algum modo, uma taberna histórica.

O estabelecimento das patuscas criaturas, de estatura baixa e virgens, ao que consta, situava-se, no século XIX, bem perto dali, do Largo Augusto Hilário.

A elas se referiram Eça de Queirós, na Correspondência de Fradique Mendes e António Nobre, no Só, vultos da literatura que ali viveram momentos de boémia.

Os autores portugueses ligados à história e vida literária de Coimbra são as grandes figuras do elegante hotel, que aproveitou, com total respeito pela traça antiga, com detalhes e pormenores de modernidade, três edifícios em forma de U construídos no século XVIII.

Nas paredes, há fotos da Coimbra antiga; logo à entrada, é visível a cisterna do século XVI, com sete metros de profundidade, aproveitada para garrafeira e onde os vinhos repousam à temperatura ideal.

No pátio, uma frondosa nogueira centenária é o ex-libris do agradável espaço. Mais acima, o Terraço Cheio de Estrelas, com panorâmica soberba a 360 graus, justifica, por si só, momentos únicos para saborear uma bebida. Absolutamente fantástico!

O restaurante, decorado com bom gosto, é de ambiente descontraído.

Na ementa, destacam-se as tábuas com queijos ou enchidos; mista e a iconográfica Sapientia, Para duas pessoas, é apelativa paleta de cores e um autêntico festim petisqueiro, abrilhantado com enchidos e quatro variedades de queijos nacionais; seis tipos diferentes de pão; húmus de grão; chutney de tomate verde; uvas; frutos secos; grão de bico com bacalhau; areia de azeitona; empadas de galinha e um delicioso escabeche de aves, uma criação do jovem chef Hugo Batista.

A alternativa a esta proposta convivial passa pelos mini-pratos: com apresentação sugestiva destacam-se os peixinhos das Tias Camellas; asinhas de frango picante e o desfiado de bacalhau com rabanetes e lima.

Mais elaborados e servidos sobre uma ardósia, os pratos de peixe: o bacalhau das Tias Camellas é apresentado em lascas do gadídeo confitado, sobre esmagada de batata com cebola espinafres e crosta de broa e azeitona.

O lombo de salmão é acompanhado com mix de legumes assados e arroz de jasmim e o polvo, com batata assada, cebola, pimentos e azeite de alecrim.

Mais substanciais, as propostas cárnicas: peito de frango, com pesto, tomate, queijo mozzarella e paio de lombo, acompanhado com arroz de jasmim e salada de verdes.

Outras sugestões: naco de vazia com batatas bravas, pickles e salada e a empada de cabrito e cogumelos, com puré de maçã assada e chips de batata doce frita. Textura de sabores, boa confeção e apresentação cuidada justificam a ascensão deste prato ao pódio das preferências.

Para acompanhar, um branco do Douro, bastante gastronómico, preito de gratidão ao diretor do Jardim Botânico, que trouxe para Portugal, no século XVIII, várias castas estrangeiras: Antonino Vidal.

Nas sobremesas, o cheesecake de frutos vermelhos é a estrela.

Carta de vinhos completa. Serviço atento e simpático

Para terminar, literatura impressa em rolinho de papel e uma avisada reflexão de Virgílio Ferreira, servida com o café: «vive o instante que passa».

Na «Conta Corrente» dos dias, é boa sugestão, saboreando os petiscos e pratos da cozinha portuguesa na Tasca das Tias Camellas. Em Coimbra,

Onde fica:
Localização: Coimbra
Telef.: 239 15 18 03

  COMENTÁRIOS