crise dos combustíveis

Taxistas pedem audição urgente ao Governo. Querem ver garantido o abastecimento dos táxis

Os táxis querem que o Governo lhes assegure o abastecimento de combustível, disponibilizando as bombas dos veículos pesados. Também as transportadoras de autocarros pedem um plano de abastecimento para as empresas de todo o país.

A Federação Portuguesa do Táxi (FPT) pediu uma audiência urgente ao Governo para criar um plano de contingência de modo a garantir combustível aos táxis.

PUB

Em comunicado, a FPT informa que, dada "a escassez generalizada de combustível nos postos de abastecimento a nível nacional, principalmente nos grandes centros urbanos", solicitou "uma audiência urgente ao Governo, com vista à criação de um plano de contingência".

Os taxistas querem que o Governo disponibilize "as bombas de veículos pesados" para garantir "o fornecimento de combustível ao serviço público de transporte em táxis".

Também a ANTRAL - Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros pede ao Governo que crie postos de abastecimento prioritários para táxis e outros transportes públicos.

"Compete ao Governo arranhar postos específicos para serem abastecidos os carros que prestam serviços públicos, como os transportes coletivos e os táxis, para que o país não pare", disse Florêncio Almeida, presidente da ANTRAL, em declarações à TSF.

"Nós não somos grandes empresas que possam ter postos de combustíveis (...). O táxi tem de abastecer todos os dias, como outro carro qualquer", lembrou.

Já Luís Cabaço Martins, presidente da ANTROP - Associação Nacional de Transportes Rodoviários de Pesados de Passageiros, diz que está em contacto com o Executivo e mostra-se disponível para "acertar com o Governo um plano para o abastecimento às várias empresas do país".

Cabaço Martins considera que, neste momento, a atividade dos diferentes operadores de transportes rodoviários ainda não está posta em causa e que a situação pode ser prevenida.

"Temos gasóleo para mais um dia ou dois e, portanto, é perfeitamente possível durante o dia de hoje montar um plano de abastecimento para que o transporte continue a ser garantido por todo o país", declarou o presidente da ANTROP à TSF, adiantando que ainda aguarda a confirmação oficial do Governo de que os transportes rodoviários de passageiros estão incluídos nos serviços mínimos definidos.

SAIBA TUDO SOBRE A CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

  COMENTÁRIOS