Os nobilheiros vieram à capital para um parlapiê sobre o falar transmontano

No dia em que é lançado o "Dicionário de Palavras Soltas do Povo Transmontano", os dicionaristas estiveram na TSF. Ouça a conversa e descubra expressões regionais.

Esta quarta-feira é apresentado o "Dicionário de Palavras Soltas do Povo Transmontano", uma obra que descodifica de forma simples o significado desse falar e dizer transmontano.

Cidália Martins, José Pires e Mário Sacramento são os autores da obra, que tem prefácio do professor Adriano Moreira.

A primeira entrada deste dicionário é "abafador". Abafar pode significar "matar por asfixia", mas também roubar e ainda impedir a fermentação do vinho.

À conversa com Fernando Alves, os autores descodificaram outras expressões e houve até abertura de noticiário à moda transmontana.

Breve glossário de expressões usadas ao longo da emissão
abarretada - muito cheia
aldrominar - aldrabar
ar de cruz credo - assustado
azucrinar - chatear, aborrecer
cumoquera - talvez, algo muito certo
engaranhado - com frio
escarnoso - trocista
gabela - molho de lenha ou cereais
guiço - pau fininho para acender a lareira
nobilheiro - o que traz as novidades
olhapudo - quem olha desejoso para o que os outros comem
parlapiê - conversa para tentar influenciar
repuxada - reprimenda, descompostura

"Dicionário de Palavras Soltas do Povo Transmontano" é apresentado esta quarta-feira, às 18h30, na Academia das Ciências de Lisboa, em parceria com a Casa de Trás os Montes e Alto Douro. A primeira edição já está esgotada.

A Manhã TSF arrancou com o noticiário também à moda transmontana.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de