PCP quer alargar passes sociais a todo o território

Comunistas propõem aumentar para 104 milhões de euros a verba disponibilizada pelo Fundo Ambiental e que as Comunidades Intermunicipais definam até 1 de abril a forma de aplicação do dinheiro do Programa de Apoio à Redução Tarifária.

O PCP apresenta, esta quinta-feira, uma proposta de alteração ao Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes Públicos (PART), que visa garantir não só a redução dos preços dos passes nas áreas metropolitanas, mas também permitir que isso se torne realidade em todo o território.

A redução do preço dos transportes públicos é de há muito uma reivindicação do PCP, que agora, garante Bruno Dias, cria condições para que isso se torne possível em todo o país.

"É preciso garantir que todos os operadores aceitem este sistema e que haja mais território abrangido para que mais pessoas possam ser servidas", explica o deputado do PCP, salientando que "além dos passes sociais em Lisboa e no Porto, deve haver condições para criar soluções deste tipo em todo o território".

O deputado sublinha que, mais que o reforço da oferta, é necessário que as Comunidades Intermunicipais possam aplicar as medidas já previstas para as áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto.

O PCP propõe para isso que sejam disponibilizados 104 milhões de euros do Fundo Ambiental em vez dos atuais 87. "Até porque é preciso adaptar e reavaliar o quadro de regulamentação aplicado para o financiamento e distribuição das verbas às diferentes empresas de transporte", afirma. A proposta não foi negociada com o Governo, mas Bruno Dias diz acreditar na aprovação do parlamento.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados