Acidente em Ponte de Sor foi provocado por perda de controlo e inexperiência de piloto

O acidente aéreo ocorreu em julho de 2018 e provocou a morte ao piloto de nacionalidade paquistanesa.

O relatório do acidente aéreo de julho de 2018, em Ponte de Sor (Portalegre), aponta a perda de controlo da aeronave, devido às condições meteorológicas, e a inexperiência do piloto como causas da queda, foi hoje anunciado.

O relatório final do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF), a que a agência Lusa teve hoje acesso, aponta como causas prováveis a "entrada inadvertida em IMC (condições meteorológicas de voo por instrumentos) com consequente desorientação espacial do aluno piloto devido à perda de referências visuais".

Confirmando que a aeronave que caiu em Ponte de Sor, um Cessna 152, "tinha todos os certificados e licenças válidos" e que os registos de manutenção indicam que "tinha sido mantida de acordo com os regulamentos e procedimentos existentes", o relatório final concluiu pela inexistência de mau funcionamento do avião.

"Não foram evidenciados defeitos ou mau funcionamento do grupo motopropulsor que pudessem ter contribuído ou causado o acidente", lê-se no documento do GPIAAF, que garantiu estar a aeronave "a ser operada dentro dos limites de massa e centragem, bem como dos limites operacionais".

Dando nota de que "todas as superfícies de controle foram analisadas e todos os danos na aeronave foram atribuídos às forças severas no momento de impacto", o gabinete informou que o aluno piloto "estava autorizado para o voo de acordo com os regulamentos da ATO (organização de formação de voo) e da regulamentação europeia existentes para o efeito".

"O aluno piloto encontrou condições IMC e perdeu as referências visuais, devido às condições meteorológicas locais que se faziam sentir", avança o GPIAAF, para quem a "perda de referências visuais terá levado a uma desorientação espacial, com perda de controle da aeronave", o que acabou por provocar "uma descida pronunciada".

Segundo o relatório, a aeronave "embateu no solo num ângulo elevado e, devido às elevadas forças envolvidas no impacto, o acidente não se configurou de sobrevivência possível".

Como "fatores contributivos" para o acidente, o gabinete aponta as "condições atmosféricas locais propícias à formação nublosa a baixa altitude", o facto de tripulações em operação na área não terem feito "relato sobre a alteração das condições meteorológicas locais (PIREP)" e a "pouca experiência do aluno piloto em voo noturno e a ausência de formação mínima em IFR (regra de voo por instrumentos).

No relatório lê-se ainda que o "aluno piloto efetuou a solo três circuitos na pista 21 com 'stop and go', conforme planeado e sem problemas reportados, tendo descolado para efetuar o quarto circuito", sendo neste que ocorreu o acidente.

"Às 21:39, os meios de socorro foram acionados e iniciada uma busca intensa nas imediações a oeste do aeródromo", refere o relatório, dando conta que "a aeronave foi localizada a sul do Monte de Marvila, às 00:02, totalmente destruída" e que o aluno piloto "faleceu no momento do acidente".

O GPIAAF "foi notificado pouco depois da ocorrência, tendo feito o acompanhamento da situação e deslocado para o local uma equipa de investigação de aviação civil na manhã seguinte".

O aluno piloto, um jovem 21 anos, de nacionalidade paquistanesa, "era titular de uma autorização de aluno ATPL(A) (licença de piloto de linha aérea)".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados