Primeiro medronhal certificado: dos frutos frescos ao combate aos incêndios

A TSF foi visitar o primeiro medronhal certificado do mundo.

Fica em São Pedro de Alva, no concelho de Penacova. Entre os rios Alva e Mondego predomina agora na paisagem o eucalipto, mas há várias décadas o cenário era bem diferente.

A ideia partiu do docente da Universidade de Aveiro, mas também presidente da Cooperativa Portuguesa de Medronho, Carlos Fonseca, que em 2013 criou a Medronhalva.

A Medronhalva tenciona com estes novos 20 hectares de medronheiros ajudar no combate aos fogos florestais, reordenando o território, mas também mostrar que existem alternativas rentáveis ao eucalipto.

E quando chegamos ao cimo do monte apercebemo-nos do crescimento dos medronheiros, temos aos pés o rio Alva e sabemos que à nossa volta estão cerca de 20 hectares de medronheiros, da Medronhalva, o primeiro medronhal com certificação no mundo cresce no concelho de Penacova pelas mãos do professor, investigador e biólogo Carlos Fonseca.

Um selo de garantia da FSC, a FOREST STEWARDSHIP COUNCIL, que tem por base a sustentabilidade ambiental económica e social. "Resulta desde logo da própria origem das plantas, que no nosso caso tem o próprio fruto. Com 120kg de fruto que colhemos na região conseguimos germinar 30 mil plantas", assegura.

Deste conjunto, onze mil foram utilizadas no território que a TSF foi conhecer. Uma estratégia que pode estar na origem de uma mortalidade diminuta no primeiro ano, abaixo dos 20%, mesmo com verões quentes e pouco chuvosos como foram os dos últimos anos.

E porque o eucalipto tem um potencial económico forte, na luta eucalipto / medronheiro, Carlos Fonseca, que também é presidente da Cooperativa Portuguesa do Medronho, apresenta algumas vantagens para a árvore que dá fruto, que podem ser ouvidas na reportagem áudio, bem como os apoios concedidos pela REN na plantação de medronheiros debaixo de linhas de muito alta tensão.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de