Resgate na pedreira: um trabalho de paciência, com prioridade para a segurança

Autoridades estão a fazer análise de risco para dar início às operações de resgate na pedreira onde pelo menos duas pessoas morreram.

As autoridades começaram esta manhã a fazer a avaliação do talude da antiga estrada nacional entre Borba e Vila Viçosa, no distrito de Évora, que abateu esta segunda-feira provocando a morte a pelo menos duas pessoas .

Trata-se de um trabalho muito minucioso, e por isso de muita paciência, com prioridade para a segurança dos trabalhadores e equipas de resgate.

Elementos da Proteção Civil, engenharia militar, especialistas em Geologia e Minas e técnicos de extração de mármore estão no terreno para fazer a análise de risco. Juntos, analisam a melhor forma de iniciar as operações de resgate das vítimas do acidente.

Um camião com uma equipa de bombeiros 'canarinhos', habilitada e especialista a fazer resgate em grande ângulo, foi a mais recente força a chegar à estrada que liga Vila Viçosa a Borba.

Pelo menos duas pessoas morreram no deslizamento de terras que provocou o abatimento da estrada, dois operários da empresa que explora a pedreira.

As autoridades desconhecem, para já, o número de pessoas desaparecidas, mas sabe-se que uma retroescavadora e duas viaturas foram arrastadas para o interior da pedreira com 50 metros de profundidade.

LEIA MAIS:

"Muitas estradas nacionais foram entregues às câmaras municipais em más condições"

"Uma experiência única." O relato de quem guiava visitas turísticas à pedreira fatal de Borba

Estrada "era uma ponte estreita com pedreiras dos dois lados"

Bastonário da Ordem dos Engenheiros diz que deslizamento de terra era previsível

Câmara de Borba dá apoio a familiares das pessoas desaparecidas

"Estou tranquilo". Autarca de Borba diz que estrada "era segura"

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de