Aplicação da proposta de formação para o uso de desfibrilhadores vai demorar

Coordenador do grupo de trabalho confia na reação da sociedade e alerta que vão ser precisos mais recursos.

A aplicação da proposta para que a formação para o uso de desfibrilhadores, por parte de quem tira a carta, seja obrigatória vai demorar algum tempo a ser posta em prática. Quem faz o alerta é o coordenador do grupo de trabalho que apresentou a proposta.

João Morais esclarece à TSF que, no caso dos novos condutores, vai ser necessária uma articulação entre as escolas de condução e as escolas certificadas para dar a formação em causa. Para o coordenador, e caso a proposta seja aceite, o número de formadores existente pode não ser suficiente, assim como os recursos do INEM, mas acredita que a sociedade civil vai saber dar resposta às necessidades.

"A sociedade civil vai mexer-se cada vez mais. Há 10 anos atrás não havia escolas de reanimação, agora há variadíssimas. Se eu tiver aqui 50 mil pessoas para formar, como é que eu faço? É óbvio que não vai ser de um dia para o outro. É um processo, andamos nisto há 10 anos, espero que não andemos mais 10, mas vamos precisar aqui de algum tempo", relembra.

Outra das preocupações com a proposta é a generalização do uso de desfibrilhadores e todas as dificuldades e riscos que daí possam advir. Esta é uma questão que João Morais minimiza porque "a tecnologia chegou de tal maneira longe que se tornou muito fácil de utilizar. Os aparelhos falam, interagem com o operador. Se as pessoas seguirem rigorosamente o que o aparelho lhes diz, a probabilidade de erro é mínima", garante.

Este avanço tecnológico é, aliás, a razão pela qual este grupo de trabalho propôs que os aparelhos passassem a ser utilizados, "em situações excecionais, por qualquer cidadão", ainda que com uma importante ressalva: "sempre com controlo médico. Liga 112 e o 112 é que lhe vai dizer o que fazer".

Incluídos nesta proposta, que está agora em consulta pública, estão além de novos condutores, grupos profissionais como as forças de segurança.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de