Enfermeiros paralisam a 28 e 29 de julho

A não aplicação das 35 horas de trabalho semanal é um dos motivos, mas não o único apontado pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses.

Guadalupe Simões indica à TSF mais dois motivos para a greve. Um deles é a perda de autonomia devido a uma proposta de lei da tutela que os enfermeiros consideram que lhes retira competências.

"A regulamentação de atos profissionais, que coloca os enfermeiros como meros executores de prescrições de outros. Ou seja, é um retrocesso de mais de 50 anos", afirma Guadalupe Simões.

Guadalupe Simões aponta os motivos da greve

00:0000:00

O SEP quer ainda que o "Ministério da Saúde assuma o compromisso de que o pagamento das horas extraordinárias seja feito a 100%".

A dirigente sindical dá dois exemplos de funções que podem deixar de ser exercidas pelos enfermeiros

00:0000:00

A greve nacional termina com uma concentração nacional da enfermagem, em Lisboa, no dia 29 de julho.

Entretanto, o Sindicato dos Enfermeiros foi convocado para uma reunião, esta tarde, com o Secretário de Estado da Saúde.

Guadalupe Simões admite desconvocar a greve, se neste encontro as partes chegarem a acordo relativamente aos três problemas apontados pelo sindicato.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de