Serviço Nacional de Saúde

Bastonário dos médicos pede mil milhões de euros para a saúde

A poucos dias da apresentação do Orçamento do Estado, Miguel Guimarães diz esperar que o Governo reforce o investimento da Saúde em cerca de mil milhões de euros.

Entrevistado pela TSF, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, sugere que a fatia destinada à saúde comece a aproximar-se da média dos países da OCDE, ou seja, que fique mais perto dos 6,5% do PIB.

Neste momento, o orçamento da Saúde é de 5,2%, o bastonário considera que o Governo devia aumentar 0,5 pontos percentuais.

Miguel Guimarães diz que o SNS está a atingir o limite e por isso este é o momento para investir: "Já o devíamos ter feito há um ano ou dois anos, mas agora tenho a perceção de que estamos a atingir o limite".

Por isso, o Bastonário dos Médicos diz esperar que o governo valorize mais o orçamento do estado para a saúde, de forma a corrigir alguns dos principais problemas.

"Se me perguntassem a mim qual é que devia ser a percentagem do PIB para a saúde, faria as contas pela média dos países da OCDE, que é mais baixa que a média dos países europeus. Ia para os 6,5% do PIB. Mas entendo que não se consegue subir de um dia para o outro de 5,2% para 6%. Diria que se subisse para 5,6% ou 5,7% já seria um passo importante", anota.

Contas feitas, esse investimento andaria à volta dos mil milhões de euros. Miguel Guimarães sublinha que há problemas graves em vários hospitais, diz que os portugueses não são tratados equitativamente em termos regionais e lembra que as listas de espera estão a aumentar.

"Ainda assim", acrescenta, "aquilo que são as competências técnicas, a qualidade daquilo que é feito no SNS é no mínimo tão boa como aquilo que é feito no setor privado". Garantia do bastonário dos médicos, num dia em que foi notícia um estudo que diz que os portugueses consideram que são mais bem tratados no privado que no público.

  COMENTÁRIOS