Lisboa

Falta de radiologistas no S. José. "Não há prejuízo para os utentes", diz hospital

Um dos principais hospitais de Lisboa, para onde vão muitos doentes encaminhados de outros hospitais, vai deixar de ter especialistas em radiologia entre as 00h00 e as 08h00, a partir de junho. A opção passa pela telerradiologia.

O Hospital de São José, em Lisboa, vai deixar de ter radiologistas no período noturno, mas "não há prejuízo para os utentes nem quaisquer perdas de tempo ou qualidade", segundo um comunicado divulgado esta quinta-feira pelo gabinete de comunicação do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), no qual se insere aquele estabelecimento de saúde, em reação a uma notícia avançada quarta-feira pela TSF.

"O recurso à telerradiologia [telemedicina] é comum nos hospitais, quer no nosso país quer internacionalmente. Trata-se de uma boa prática de recursos humanos para a tarefa de produção de relatórios de imagiologia", lê-se na mesma nota enviada à TSF pelo gabinete de comunicação do CHLC.

A notícia da falta de especialistas em radiologia no São José foi comunicada por Francisco Lucas Matos, diretor do serviço de urgência, numa nota interna a que a TSF teve acesso. É uma "má notícia" para a urgência, que vai provavelmente gerar dificuldades, afirma Lucas Matos, sublinhando que este serviço é "o último recurso para uma parte significativa dos doentes que a ele recorrem".

Ordem encontrou médicos preocupados

Mas o CHLC tem outro entendimento: "Estes relatórios podem ser realizados por médicos do CHLC ou recorrendo a serviço exterior. Além do cumprimento rigoroso de prazos, os profissionais que executam no exterior os relatórios de exames ficam disponíveis, por contrato, a prestar todos os esclarecimentos adicionais que forem considerados necessários pelos colegas prescritores."

"Não há prejuízo para os utentes nem quaisquer perdas de tempo ou qualidade face aos relatórios de exames produzidos pelos médicos residentes", refere também o mesmo comunicado, acrescentando ainda: "Para o CHLC, que tem responsabilidades ao nível académico, esta solução tem, no entanto, de ser limitada e transitória, o que acontece neste caso, na medida em que a telerradiologia só ocorre das 00h00 às 08h00."

O presidente da secção regional do sul da Ordem dos Médicos visitou na noite desta quarta-feira o Hospital de São José e falou com os médicos.

À TSF, Alexandre Valentim Lourenço garante que encontrou médicos preocupados e que está em causa a saúde de muitos doentes que não terão acesso imediato a métodos de diagnóstico num hospital que recebe casos muito graves.

  COMENTÁRIOS