Governo diz que não aceita que privados cobrem à ADSE preços diferentes

Mário Centeno disse que o Executivo não aceita que hospitais privados pratiquem preços diferentes para os mesmos serviços e bem acima do custo no SNS e que já em 2018 avançou com a necessidade de rever as tabelas da ADSE.

"Preços diferenciados para os mesmos atos, preços muito acima do que hospitais públicos suportam em termos de custos, isso não pode continuar. Mas o Governo não descobriu isso agora", disse o ministro das Finanças, no Parlamento, em audição da comissão do Trabalho.

Segundo o governante, foi por o Executivo ter considerado que é preciso rever o relacionamento entre a ADSE e prestadores privados de saúde que já no decreto-lei de execução orçamental de 2018 inscreveu a revisão das tabelas da ADSE (do regime convencionado e do regime livre).

"Isto para garantir que o dinheiro português dedicado ao Serviço Nacional de Saúde [SNS] seja bem utilizado", vincou.

Depois de a ADSE ter exigido a devolução pelos prestadores privados de saúde de 38 milhões de euros por excesso de faturação relativa a 2015 e 2016, alguns grupos privados de saúde, entre os quais a José de Mello Saúde, a Luz Saúde ou Os Lusíadas, anunciaram a intenção de denunciarem as convenções com a ADSE.

O Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE aprovou já uma resolução a apelar para um "urgente diálogo" entre os prestadores de saúde e o conselho diretivo do instituto público.

LER MAIS:

- Governo dá apoio "inequívoco" à ADSE. Não há "condescendência" com quem a atacar

- Grupo Mello Saúde cria tabela especial para beneficiários da ADSE

- "Temos de pôr sempre a hipótese do fim do SNS"

- Quanto vão passar a pagar os utentes da ADSE por uma consulta no privado?

Continuar a ler

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de