Saúde

Governo quer usar inteligência artificial para prevenir doenças oncológicas e diabetes

O executivo vai investir perto de 4 milhões de euros em inteligência artificial na Administração Pública.

São 3,8 milhões de euros que vão ser entregues maioritariamente a instituições de ensino superior para o desenvolvimento de projetos em parceria com entidades da Administração Pública.

Ouvido pela TSF, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior destaca que é na saúde que se concentra a maior aposta destes projetos. "Estamos a falar da prevenção de doenças, que pode ir desde a prevenção oncológica à questão dos diabetes. Com base na informação pública de uma série de doentes e de informação associada a consultas, vamos tentar ajudar os cidadãos a terem melhor informação para preverem os tratamentos, o tipo de diagnóstico e anteciparem eventuais tratamentos", sublinha Manuel Heitor.

Os projetos vão ser desenvolvidos durante os próximos 18 meses. O ministro acredita que eles podem criar novos postos de trabalho: "O relatório do World Economic Forum assume para os próximos quatro anos a possibilidade de crescer em 10% o volume de emprego associado às novas tecnologias digitais. Mas tudo depende das competências que conseguirmos desenvolver para não sermos meros utilizadores de sistemas que são desenvolvidos por outros, mas estarmos associados ao desenvolvimento desses sistemas".

"Por isso é que estamos a antecipar com a Administração Pública a utilização de novas ferramentas que levem ao bem-estar social e à qualidade de vida e de emprego. Cada vez mais fazer ciência é criar emprego", defende Manuel Heitor.

O investimento é de 3,8 milhões de euros. O dinheiro será atribuído a 15 projetos de investigação.

  COMENTÁRIOS