Saúde

Maioria dos portugueses desconhece para que servem os antibióticos

Autoridades de saúde alertam para vendas sem receita médica. Se nada mudar, resistência aos antibióticos poderá matar mais do que os acidentes na estrada ou o cancro.

Apenas um em cada três portugueses sabe que os antibióticos não matam vírus. O número é apresentado pela Direcção-Geral da Saúde para mostrar como ainda somos dos países europeus onde há mais desconhecimento sobre um tipo de medicamentos que por serem demasiado usados são cada vez menos eficazes.

A falha de informação não seria grave se todos os antibióticos fossem de facto vendidos apenas com receita médica, mas o problema, como defende a diretora do Programa de Prevenção e Controlo das Infeções e da Resistência aos Antimicrobianos, é que nem sempre isso acontece.

À TSF, Maria do Rosário Rodrigues sublinha que "a venda com receita médica é o que está na lei... mas às vezes sabemos que aquilo que está na lei não é a regra".

Depois, sublinha a especialista, "há farmácias de ambulatório que cedem o antibiótico porque conhecem o doente. Sabemos que há fugas a estas regras e isso é que determina muito do mau uso de antibióticos".

Recorde-se que várias projeções preveem que, se nada mudar, dentro de algumas décadas a resistência aos antibióticos pode matar mais no mundo que os acidentes de viação ou o cancro. As contas do programa nacional de prevenção sublinham que se a resistência não for controlada em 2050 poderão morrer 10 milhões de pessoas por ano, sendo que hoje já são 25 mil só na Europa devido a bactérias multirresistentes.

Nem febres, nem constipações

Sem antibióticos eficazes, os medicamentos para tratar os doentes são cada vez menos, com a diretora do programa a sublinhar que ao contrário do que muitos portugueses pensam "os antibióticos são medicamentos destinados ao tratamento de infeções causadas por bactérias, não atuando sobre infeções causadas por vírus, como é o caso das constipações e gripe", nem febres nem dores musculares.

A DGS sublinha que apesar das melhorias, Portugal continua a ser dos países europeus onde mais se usam antibióticos e onde menos conhecimentos se tem sobre a sua utilização.

No entanto, o último inquérito europeu sobre o assunto revela mesmo que apenas 30% dos portugueses sabem que os antibióticos não matam vírus, um dos números mais baixos da União Europeia. Pelo contrário, 61% afirma (mal) que sim e 9% que não sabem.

Outro número preocupante para a Direção-Geral de Saúde: 52% acreditam que os antibióticos tratam gripes e constipações, muito acima da média europeia, contra apenas 38% que sabem que isso não é verdade.

Maria do Rosário Rodrigues sublinha que com tanta falta de informação é normal que os médicos se sintam pressionados a passar antibióticos por tudo e por nada, sentindo-se mais seguros se o fizerem, mesmo que não seja preciso.

Recorde-se que o problema provocado pelo excesso de antibióticos é que quando tomamos um medicamento deste tipo as bactérias existentes no nosso corpo que são sensíveis ao antibiótico morrem, mas ao multiplicarem-se algumas sofrem mutações que as tornam resistentes a esse mesmo antibiótico, gerando as temidas bactérias multirresistentes.

  COMENTÁRIOS