Maternidade Alfredo da Costa

"Patético, incompetente e cínico." Sindicato ataca ministro da Saúde

A Federação Nacional dos Médicos exige a contratação imediata de médicos para a Maternidade Alfredo da Costa e critica a atuação do ministro da Saúde.

Os chefes de equipa das especialidades de ginecologia e obstetrícia da maternidade queixam-se de exaustão e de falta de pessoas. Os profissionais anunciaram que, dentro de duas semanas, vão deixar de fazer horas extraordinárias.

O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), João Proença, afirma-se solidário com os médicos e fala numa "gestão desastrosa" que pode inviabilizar as urgências da maior maternidade do país.

"Desde novembro do ano passado que os responsáveis das urgências da Maternidade Alfredo da Costa exigem a resolução do problema da falta de médicos e a abertura de concursos para as pessoas que se formam na maternidade", afirmou o sindicalista.

"É uma gestão desastrosa, que põe em causa o funcionamento de uma unidade hospitalar que é um exemplo desde há muitos anos", criticou João Proença.

Esta semana, o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, admitiu constrangimentos pontuais no Serviço Nacional de Saúde (SNS), mas afirmou existir um empolamento desses constrangimentos.

Perante esta posição, o presidente da FNAM classifica o ministro com duros adjetivos: "Ele patético, incompetente e cínico".

"O que é que um ministro faz num sítio em que não se responsabiliza pelo que faz?", questionou João Proença. "Não faz nada, está a utilizar um cargo político", acusou.

"É uma situação insustentável", declarou o sindicalista, que pede a intervenção do primeiro-ministro, António Costa, se o ministro da Saúde não resolve o problema.

"É preciso urgentemente resolver o problema, para que, em agosto, não faltem médicos e a Maternidade Alfredo da Costa não tenha de fechar durante alguns dias", avisou. "Precisamos de negociar as carreiras para que as pessoas não saiam mais do Serviço Nacional de Saúde", concluiu.

  COMENTÁRIOS