Nesta clínica dentária há desenhos animados e é quase tudo grátis

O SOL - Serviço Odontopediátrico de Lisboa - é uma clínica gratuita de medicina dentária para todas as crianças e jovens até aos 18 anos que residam ou estudem no concelho de Lisboa.

É a segunda vez que David Barreiro vem ao dentista. A primeira foi já há alguns anos e não correu bem mas esta consulta já foi melhor. Entre limpezas e cáries, ficou a saber que vai precisar de usar aparelho nos dentes. Nada que o apoquente. "Eu fiquei calmo porque a iniciativa de vir aqui também foi um bocadinho minha. Já estava farto de ter assim os meus dentes. Mais vale usar aparelho agora do depois."

A mãe, Adelaide Barreiro, concorda. "Que seja agora e não quando for mais velho. Acho que ele está a pensar bem e então ele aceita bem essa ideia. Isso facilita."

Daqui a uns meses, depois de todos os tratamentos necessários, David vai usar aparelho nos dentes e este é especial nem que seja pelo preço.

Consultas e tratamentos grátis

No SOL - Serviço Odontopediátrico de Lisboa da Santa Casa da Misericórdia - todos os tratamentos são gratuitos para crianças e jovens dos zero aos 18 anos, incluindo em muitos casos os aparelhos para os dentes.

"Independentemente da condição social e económica, todos os tratamentos da medicina dentária geral podem ser feitos, com a exceção da ortodontia - os aparelhos", explica André Brandão de Almeida, diretor clínico do serviço, detalhando que o aparelho é gratuito para todas as crianças e jovens que recebam abono de família em qualquer tipo de escalão.

Caso a família da criança ou jovem não tenha direito a abono, pode ainda assim aceder a todos os tratamentos na clínica, incluindo a ortodontia "mas com um contra pagamento dos custos dos materiais", acrescentou André Brandão de Almeida.

Para além destes critérios, os jovens devem viver ou estudar em Lisboa para poderem marcar uma consulta gratuita. As marcações podem ser feitas presencialmente na clínica, através do número 213263070, ou através do site do SOL.

"Além de agendar a consulta, deve trazer o cartão do cidadão se for residente em Lisboa e se não for residente mas estudar na cidade de Lisboa, traga uma declaração a dizer que está matriculado naquela escola, dentro da cidade de Lisboa", explica o médico dentista.

Dúvidas e conselhos para os pais

A clínica abriu em Agosto e está localizada na Alameda em plena Almirante Reis. O espaço foi totalmente desenhado a pensar nos mais pequenos, para tornar as visitas mais amigáveis. "Temos aquelas salas de brincadeira, todas as nossas televisões estão a dar desenhos animados, temos muitos brinquedos, as cadeiras causam muito espanto e as crianças confiam mais porque estão num espaço mais tranquilo", enuncia Brandão de Almeida.

O diretor clínico do SOL afirma que muitos pais e mães vêm à procura de dicas para a saúde oral dos filhos e admite que o conceito de clínica dentária grátis para todos tem deixado algumas pessoas de pé atrás.

"Reagem inicialmente com alguma desconfiança sobretudo aquelas que não estão habituadas a este tipo de serviço", revela, acrescentando que muitos dos utentes fazem parte da classe média, que normalmente não consegue aceder a respostas sociais desenhadas para a população mais necessitada.

"Temos as famílias de classe média que, aparentemente, têm orçamento para poder levar à privada os seus filhos mas que nos contam histórias como: eu até trabalho e tenho um ordenado bom, a minha mulher também mas temos um conjunto de custos e de despesas tal por vivermos na cidade e por termos três filhos, que o orçamento fica tão limitado, que mesmo que nós tendo cuidados de higiene oral e preocupações com os nossos filhos nesse sentido, se precisarmos de fazer um tratamento ortodôntico que custe dois ou três mil euros não o conseguimos fazer", conta o diretor clínico.

Adelaide Barreiro concorda. O dentista acaba por ir escorregando para o fim da lista. "Há sempre outras prioridades. O dentista é uma coisa que nós deixamos, vamos pensando, para mais tarde. Quando eu ouvi isto na rádio fiquei mesmo contente porque tinha mesmo de dar este passo. Ele está a precisar realmente do aparelho."

O parente pobre do SNS

André Brandão de Almeida considera que há muito que Lisboa precisava de um serviço gratuito de saúde oral e fala de uma área com graves lacunas em Portugal. "É amplamente conhecido que a medicina dentária é um dos parentes pobres da saúde geral", refere o diretor clínico do serviço, acrescentando que a medicina dentária "é uma aposta muito séria que tem de ser feita mais tarde ou mais cedo pelos governos".

Os problemas de saúde oral, reconhecidos pela comunidade científica, têm impactos na saúde geral. "Temos os problemas de socialização, temos problemas de concentração nas aulas, temos problemas de nutrição. O absentismo laboral da família para aceder a tratamentos das crianças. O absentismo laboral do próprio adulto mais tarde porque teve um trajeto de saúde oral negligenciado", enumera o médico.

O objetivo da clínica é travar o trajeto da doença oral logo no início para que daqui a umas décadas só haja bons sorrisos na cidade de Lisboa. "Daqui a dez anos, o ideal era termos uns índices de periodontologias e de cárie muito baixo. Ter, por exemplo, mais de 80% das crianças até aos doze anos, onde é estabelecida a dentição definitiva, livres de cárie. Era um objetivo que me parece possível e que era extraordinário", concluiu André Brandão de Almeida.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados