Apesar de compromisso do Governo, Sindicato dos Enfermeiros mantém greve

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) decidiu manter a greve marcada para 3, 4 e 5 de outubro, apesar do compromisso do Ministério da Saúde de avaliar as contrapropostas apresentadas.

A decisão foi comunicada em conferência de imprensa, na sede do SEP, em Lisboa, à margem de uma reunião da direção, após um novo encontro negocial do sindicato no Ministério da Saúde.

O presidente do SEP disse que as contrapropostas do sindicato, que a tutela "ficou de ponderar", são "perfeitamente acomodáveis" em termos orçamentais, acrescentando que uma nova reunião negocial no ministério está agendada para sexta-feira.

Justificando a manutenção da greve, José Carlos Martins alegou que as propostas da tutela continuam a ser insuficientes.

O SEP, apoiado pelo Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira, reclama a revisão da carreira até ao final do primeiro semestre de 2018, a reposição das horas de qualidade (horas de trabalho feitas aos fins de semana, feriados e à noite) a partir de janeiro e a extensão das 35 horas semanais de trabalho a todos os enfermeiros antes de julho.

Segundo o sindicato, o Ministério da Saúde propõe, em contrapartida, a reposição faseada das horas de qualidade, em abril e em dezembro de 2018, a aplicação das 35 horas semanais em julho e o pagamento de um subsídio transitório de 150 euros aos enfermeiros especialistas até à negociação das carreiras, em 2018.

O SEP entende que a valorização salarial dos enfermeiros não pode passar sem a revisão da carreira.

Inicialmente, o sindicato propunha um suplemento remuneratório para os especialistas de 600 euros.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de