Tolerância de ponto para ver o Papa obriga a adiar cirurgias e consultas

Administradores dos hospitais dizem que é preciso iniciar rapidamente os reagendamentos para evitar transtornos aos doentes.

A Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares confirma que a tolerância de ponto decidida pelo governo para 12 de maio, por causa da visita a Fátima do Papa Francisco, vai obrigar a remarcar consultas e cirurgias já programadas em todo o país.

À TSF, Alexandre Lourenço adianta, contudo, que nestes casos há sempre serviços mínimos e os hospitais, para além da atividade programada, estarão a funcionar normalmente.

O problema será mesmo as consultas e cirurgias já programadas, pois "existindo tolerância de ponto e se os funcionários optarem por segui-la, o que por norma acontece, estas terão de ser adiadas".

Alexandre Lourenço recorda que os cuidados de saúde envolvem muitas vezes mais de um profissional e basta um seguir a tolerância de ponto para que seja preciso reprogramar a consulta ou cirurgia.

O importante, segundo o representante dos administradores hospitalares, é iniciar os novos agendamentos rapidamente "evitando qualquer transtorno para os doentes".

Julgamentos também serão adiados

Para além das escolas fechadas e das consultas e cirurgias adiadas, também várias audiências de julgamento vão ter de ser remarcadas devido à tolerância de ponto.

A presidente da Associação Sindical de Juízes adianta que não discorda da medida destinada aos funcionários públicos e explica que 12 de maio não será como um domingo ou sábado nos tribunais, mas várias serviços terão de ser cancelados.

Manuela Paupério acrescenta que todo o serviço não urgente será adiado nos tribunais, apenas sendo assegurado o que é urgente e está, por exemplo, relacionado com pessoas detidas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de