Secretário de Estado reafirma que "taxistas são pouco sérios"

Em declarações à TSF, o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente repete criticas à atuação de alguns taxistas na escolha de percursos em Lisboa e defende que a Uber, apesar de ser "um caso de sucesso", tem um serviço que "formalmente não existe".

José Mendes continua a ter a mesma opinião. Em declarações à TSF o secretário de Estado, que em 2014 alertava para problemas que existiam no sector do táxi, agora volta a dizer o mesmo. "Havia demasiados problemas que são aliás reconhecidos pela própria classe", sublinha o governante.

José Mendes entrevistado por Ana Sofia Freitas

00:0000:00

José Mendes não quer generalizar, mas pensa que os taxistas "são pouco sérios na escolha dos percursos" lembrando que "o relato de más experiências na praça de táxis do aeroporto de Lisboa não é propriamente coisa rara".

Apesar de reconhecer que a Uber "é um caso de sucesso à escala internacional", sublinha que "há uma regulamentação vigente e essa regulamentação deve naturalmente ser aplicada".

Um caso de sucesso com um serviço que "formalmente não existe"

00:0000:00

Para José Mendes, o serviço Uber "formalmente não existe, não entrou nenhum pedido de licenciamento nas autoridades da mobilidade e transporte para uma forma de serviço prestada por uma empresa chamada Uber, isso não existe".

O secretário de Estado acrescenta ainda que "quando se faz transporte devemos submeter-nos à regulamentação própria do sector. Se a senhora ou eu quisermos ser taxistas amanhã, não o podemos ser", conclui.

Federação Portuguesa do Táxi lamenta

Com estas declarações o secretário de Estado "revela que não conhece totalmente o sector e que está a falar por ouvido", disse à TSF o presidente da Federação Portuguesa do Táxi.

Segundo Carlos Ramos, "a grande maioria dos taxistas que trabalham no aeroporto são qualificados e são bons profissionais".

Ainda assim, o dirigente federativo reconhece que "há um conjunto de pessoas, quer no aeroporto, quer na praça em geral que nunca deveriam ter sido certificadas para exercer a profissão de táxi".

O responsável responsabiliza, no entanto, as entidades públicas com competência nesta matéria.

Apesar das criticas, Carlos Ramos considera que não está posta em causa a legitimidade do secretário de Estado com a tutela dos transportes para liderar a negociações entre taxistas e Uber.

Mais de 50 taxistas detidos em 2015

A PSP revelou hoje que no ano passado deteve, no Aeroporto de Lisboa, 54 motoristas de táxi pela prática do crime de especulação.

Em comunicado, a PSP adianta que em 2015, registou 160 participações "pela utilização de veículos ao serviço da aplicação informática Uber". Este ano, o número de participações vai em 48.

Nos últimos 3 dias, adianta a PSP, foram detidos no Aeroporto de Lisboa quatro motoristas de táxi por especulação.

"Os detidos transportaram passageiros do Aeroporto de Lisboa para vários pontos da cidade e cobraram aos clientes valores superiores aos que marcavam o taxímetro", diz o comunicado. Foram apresentados para julgamento em processo sumário e as viaturas foram apreendidas.

Além destes detidos, nos últimos dias, foram identificados 23 motoristas "ao serviço da plataforma Uber App, pela utilização de veículos para o transporte público de passageiros sem a respetiva licença".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de