Mais um sindicalista em greve de fome. Não vai comer até que o Governo ouça a PSP

Cansado do silêncio do Governo, o presidente do Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública inicia, esta terça-feira, uma greve de fome por tempo indeterminado.

Ernesto Peixoto Rodrigues, que está em protesto junto ao Palácio de Belém, explica que está em greve de fome por todos os polícias. O sindicalista exige ao Governo que retome o pagamento do suplemento de férias, pede uma revisão dos subsídios e contesta a existência de dois subsistemas de segurança social.

Em declarações à TSF, o presidente do Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública (PSP) diz que os polícias estão cansados de ser ignorados pelo Governo.

"Há conhecimento por parte da tutela, desde o ano passado, destes problemas. Já pedimos reuniões ao Ministro da Administração Interna e, até à data, não obtivemos qualquer resposta. Há um autismo total por parte da tutela", queixa-se.

O sindicalista afirma que a greve de fome "é o limite do que um ser humano pode fazer neste tipo de situações", declarando que não lhe resta "outra alternativa".

Peixoto Rodrigues, que conta com o apoio de outros agentes policiais, adianta que só terminará a greve de fome quando tiver "a garantia, por parte da tutela, da resolução deste problemas, ou se, por questões de saúde, tiver que ser internado".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados