PSP Porto alerta: "sem efetivos muitas coisas deixarão de ser feitas"

As forças de segurança vivem uma situação limite, com o mesmo efetivo de há 70 anos. O alerta foi deixado pelo Comandante Metropolitano da PSP do Porto, nas comemorações dos 150 anos da instituição.

A Ministra da Administração Interna reconheceu as dificuldades, mas deixou uma palavra de incentivo e prometeu mais meios apesar dos constrangimentos.

Constança Urbano de Sousa reconheceu que os polícias têm que dar cada vez mais e muitas vezes com menos. "É este o grande desafio que os polícias enfrentam de forma permanente e têm que dar resposta sempre com mais eficácia e muitas vezes com menos meios".

A ministra da Administração Interna discursava nas cerimónias dos 150 anos da PSP do Porto, antes o comandante metropolitano, Miguel Mendes, dizia que não consegue fazer mais com cada vez menos e sublinhou que nos últimos 70 anos o número de efetivos estabilizou.

"Se em 1948 tínhamos 1.322 elementos, o efetivo atual para exatamente as mesmas áreas funcionais de comando e apoio e esquadras é de 1.349 elementos. Claramente a situação que se vem consolidando merece este clamor de alerta".

Miguel Mendes acrescentou ainda que "se não receber pelo menos 200 elementos no próximo ano, muitas coisas terão de deixar de ser feitas. Estamos em queda acelerada, pelo menos desde 2011".

A ministra da Administração Interna prometeu soluções. "Em relação às viaturas já foi autorizado um concurso plurianual de 50 milhões de euros que permitirá entrega de viaturas. Tenho consciência que existem constrangimentos, mas já foi possível dar passos na valorização das polícias.

O comandante metropolitano da PSP do Porto disse ainda que atualmente a PSP do Porto mantém o mesmo efetivo que tinha há 70 anos, mas ainda com mais funções.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de