Startup do Porto ajuda restaurantes a combaterem o desperdício alimentar

Uma startup instalada no Parque da Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, criou uma plataforma que permite a restaurantes e padarias venderem o excesso de fabrico e contribuírem para o "combate ao desperdício alimentar", revelou o responsável.

Carlos Pereira, coordenador em Portugal da FairMeals, explica que o projeto, iniciado em 2016, tem como propósito "ajudar os serviços de alimentação a venderem o excesso produzido", permitindo a redução do prejuízo financeiro, assim como do desperdício alimentar.

"Existem algumas organizações não-governamentais que já enfrentam a batalha do desperdício alimentar, só que normalmente focam-se apenas no desperdício. Nós queríamos que a FairMeals fosse além disso, unindo não só a sustentabilidade com a redução do desperdício, mas também considerando o lado do empreendedor, que ao mesmo tempo consegue obter algum retorno financeiro", conta Carlos Pereira.

A 'startup', que surge da "indignação face ao desperdício alimentar" de dois colegas da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), Christian Wimmler e Tiago Fernandes, opera na Alemanha e em Portugal.

A nível nacional, a 'startup' conta com a parceria de 35 serviços alimentares, desde padarias, pastelarias e restaurantes, sendo que a maioria se localizam no Porto, um em Lisboa e outro em Coimbra.

Desenvolvida em janeiro de 2018, a plataforma, que é gratuita tanto para consumidores como para estabelecimentos, funciona através de "ofertas de excedente" de alimentos, onde o proprietário do estabelecimento define o produto, a quantidade e o horário em que se encontra disponível para levantamento.

"Todas as ofertas que são colocadas na plataforma tem um desconto mínimo obrigatório de 20%. Definimos esse desconto porque não são refeições frescas, ou seja, produzidas na hora e porque o consumo não é feito no estabelecimento", esclarece Carlos Pereira.

Cada estabelecimento tem liberdade para gerir diariamente as ofertas. Mariana Gritsas, da pastelaria Tâmaras, é um dos parceiros mais recentes. Identificou-se de imediato com o projeto, "porque esta questão do desperdício alimentar sempre me preocupou".

Nas Galerias Lumière, no Porto, a pequena pastelaria tem uma oferta variada de doces. Mariana diz que ao final da tarde toma a decisão do que vai vender mais barato, mas com a frescura garantida. "Hoje vou colocar na platforma as quiches de alho francês e o bolo de cenoura com chocolate".

Para os consumidores, o 'site' funciona como um sistema de "reserva de produtos", que, ao gerar um código, permite o pagamento e a recolha dos alimentos no estabelecimento.

A equipa da FairMeals, que lançou em outubro de 2018 a aplicação para o sistema operacional da Android e está agora a trabalhar na adaptação da mesma ao sistema operacional da Apple (iOS), contabiliza, diariamente, uma média de 19 ofertas.

Nesta altura, a equipa encontra-se a "melhorar o 'site'" e em negociações com uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), que opera a nível nacional, e com uma empresa de tratamento de resíduos com o objetivo de "aproveitar os alimentos" que não são vendidos através da plataforma.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados