Taxistas admitem "paz" se Governo aceitar cedência de mais de 1200 táxis à Uber

A ideia é acabar com o excesso de oferta de táxis em Lisboa e no Porto.

A Federação Portuguesa do Táxi enviou ontem ao Governo a posição contra o projeto de diploma que legaliza e define as regras para as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros como a Uber e a Cabify.

O texto argumento que a proposta do executivo é ilegal, nomeadamente porque não pode ser o governo a legislar sobre estas matérias. E para esta segunda-feira continua marcada uma manifestação que deve reunir 6 mil táxis contra as intenções do executivo e a inação contra as plataformas eletrónicas.

À TSF, o presidente da Federação admite, contudo, que podia existir "paz" na "guerra" com a Uber e a Cabify se o governo cedesse numa reivindicação dos taxistas: que desaparecessem das ruas de Lisboa e do Porto 1.200 a 1.300 táxis que passariam a poder trabalhar para aquelas plataformas eletrónicas.

Na prática, estes táxis tirariam as cores habituais destes transportes ligeiros de passageiros e passariam a circular descaracterizados.

Ouça as declarações de Carlos Ramos ao jornalista Nuno Guedes

00:0000:00

Fazendo as contas, a ideia dos taxistas é ceder cerca de um terço dos táxis de Lisboa e do Porto que trabalhariam segundo as regras e orientações da Uber e da Cabify.

Carlos Ramos diz que as plataformas eletrónicas ganhavam carros e os taxistas resolviam o problema do excesso de oferta nas duas cidades. O presidente da Federação Portuguesa do Táxi lamenta que o governo "feche a porta" a esta ideia quando a mesma já está em vigor desde março em Madrid e nunca foi recusada pelas plataformas.

A proposta dos taxistas é descaracterizar 1.000 táxis em Lisboa e 200 a 300 no Porto. Se o governo aceitasse, Carlos Ramos admite parar os protestos contra a proposta para legalizar as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros. O representante dos taxistas diz que "estamos de peito aberto para discutir o problema".

Uber não exclui nenhuma opção

Em resposta à notícia da TSF, a Uber Portugal explica que "o que é realmente importante para a mobilidade, e para os seus operadores, é que tenham ao seu dispor as ferramentas tecnológicas que lhes permitam servir melhor as pessoas - seja ao fazerem uso de plataformas digitais para táxi, ao prestarem serviços de transporte em veículos descaracterizado enquanto uberX, como é permitido em determinadas legislações, ou até ao serem incluídos numa oferta de "Uber Táxi" que liga utilizadores a motoristas de táxi locais.

Por isso, a Uber diz "não excluir à partida nenhuma destas opções para as cidades portuguesas". A empresa entende "que todos os operadores de mobilidade devem coexistir de uma forma complementar e pacífica".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de