"Trabalhamos imenso para parecer que é tudo um acaso"

O artista Pedro Tochas, jurado do programa Got Talent, é o entrevistado do Começo de Conversa desta semana.

Pedro Tochas fez 46 anos e continua o mesmo miúdo que parte a loiça, conta e desmonta histórias e se ri como um louco:Tochas & Telmo (A)variado, Descobrimentos, Got Talent Portugal, O Palhaço Escultor. Um grande palhaço. Há a versão dele com o gorro e a versão de cabelo em pé. E depois há as palestras motivacionais, que ele prefere chamar de inspiracionais. Já passou o tempo da publicidade à agua Frize. Ao lado dele, sempre, Raquel Viegas, mulher, produtora, designer.

Apresentas-te com uma série de profissões: ator, comediante, malabarista, palhaço. E orador motivacional. O que é isto?

Há uns anos uma empresa quis falar comigo. Eu fazia espetáculos para empresas, era assim que ganhava dinheiro. Querem um espetáculo? Não, queremos que venha falar connosco porque sabemos que andava a estudar engenharia química e resolveu ser palhaço de rua. Também estamos numa fase de mudança e queremos que as pessoas não tenham medo da mudança. Vou levar dinheiro para isso. Está bem, claro. O cachet normal... Claro, claro. Então fui lá e aquilo foi divertido.

Divertiste-te tu mais do que as outras pessoas?

Acho que toda a gente se divertiu. Eu divirto-me sempre mais do que o público. Passado um mês, pediram-me para fazer a mesma coisa noutra empresa. Era uma oportunidade de negócio. Comecei a trabalhar nessa área, a perceber como funciona. O que eu faço mais é key note speaker, a pessoa que dá o tom a uma convenção. Falo de encarar os problemas como oportunidades, não se levar demasiado a sério. Porque em Portugal é assim: corre bem, sou o melhor do mundo! Corre mal, matem-me já! Não temos um meio-termo. E falo muito de criar relações, que é o que faço no meu trabalho. O engagement. Sou geralmente o último orador, a pessoa que encerra e que dá o tom, o que é bom ou mau, é uma pressão. Se aquilo corre mal...

Tens de assistir a tudo?

Gosto de assistir a tudo. Há pessoas que chegam lá e falam. Eu gosto de estar lá o dia todo para perceber a linguagem, o que está a causar resistência, do que estão a gostar. Às vezes dão-me um briefing e estou a ouvi-los falar e não tem nada a ver com o briefing que me deram. Falam-me de uma coisa, chego lá e estão a falar de outra. Gosto de perceber tudo. Consigo ouvir o CEO a falar, entro a seguir a ele e utilizo o que acabou de dizer. Eles adoram isto porque é muito mais orgânico, não é só um orador convidado que chega lá, blablabla, e vai-se embora. Digo-te uma coisa: eu sou a pessoa com mais atenção àquilo, estou com mais atenção que os colaboradores.

E aprendes muito?

Aprendo. Aprendo o lado da empresa, coisas internas, mecânicas de que uma pessoa não tem noção. Estive numa sessão de empresas de criação de aves e percebi o negócio. Nunca tinha percebido. O negócio é transformar ração em carne, é só isso que eles fazem. Estive durante três horas a ouvir falar de saúde intestinal de aves. Não é bem um tema de conversa normal. Mas tem lógica.

Foi interessante? Ficaste a saber muita coisa?

Percebi que se o sistema digestivo não funciona, precisam de mais ração... pronto. Agora quando falar com alguém que faz criação de aves posso falar da saúde intestinal das aves. Tenho tema de conversa para três horas.

Quando vi isto de seres orador motivacional, ou inspiracional, como tu dizes, pensei: este rapaz anda com falta de dinheiro.

Não, não, porque não é aquele "e agora acredita em ti, porque dentro de ti..." Não tem nada a ver com isso. Conto histórias minhas que enquadrei com situações das empresas. E tenho feito formação. A maior parte deste pessoal leu um livro e vai para lá. Eu vou à convenção na América, já lá fui cinco vezes e vou outra vez este ano, acabei de me registar.

Convenção de quê?

De oradores. National Speakers Association, NSA, mas o bom NSA, não é o mau. Sou muito adepto da formação. Por isso não digo que sou motivacional. A maior parte dos motivacionais é: "agora olha bem para ti, o que é que tu vês?" Man, eu vejo é tripas, o que é que eu vejo dentro de mim?

Aí está a saúde intestinal das aves.

Aí está. Não tenho nada a ver com esse pessoal, não é a minha onda, eu é mais histórias que me aconteceram e que dão para extrapolar. Mas eu já faço isso nos espetáculos. Uma pessoa vai ver um espetáculo meu e identifica-se, "ah, também já me aconteceu aquilo".

Então vamos falar dos espetáculos. Nós tratamo-nos por tu porque...

...eu trato toda a gente por tu.

Tu não és capaz de tratar as pessoas sem ser por tu.

É chato, porque eu trato toda a gente por tu. Mesmo no programa em que estou...

...no Got Talent Portugal, na RTP.

...dizem-me: "quando for uma pessoa mais velha, trata por você". Está bem, está bem. À primeira consegui, a segunda não. Já nem me dizem nada. O tu não é sinal de desrespeito, é sinal de proximidade. Dizem que com respeito é por você, e a seguir insultam, como é que é respeito? O respeito é nas atitudes. Eu sou do povo e nós não tínhamos dinheiro para o "você". Eu, tu e o terceiro já não dá, não dá para o ele, ficámos logo ali na segunda forma verbal.

Estás a aparecer na televisão, com coisas que estão gravadas para o Got Talent. Ainda te lembras do que aconteceu?

É a beleza disso. Como gravei há alguns meses, agora estou a ver o programa e é quase novo para mim, não me lembro. Olha, eu disse esta parvoíce?

Tinhas avaliado pessoas?

É muito complicado. Tinha acontecido noutro âmbito, quando estudei numa escola em Inglaterra que faz fusão entre teatro e circo, com uma bolsa da Gulbenkian de que muito me orgulho. À sexta-feira tínhamos de fazer uma atuaçãozinha, uma performancezinha, e tínhamos de nos avaliar uns aos outros. Tínhamos de dar e receber feedback, o que não é tão fácil como parece porque no início a pessoa é muito defensiva - "não percebeste o que eu fiz". A certa altura percebes que o feedback é um instrumento de trabalho.

Nós portugueses temos muita dificuldade em aceitar as críticas?

Neste espetáculo que estou a fazer com o Telmo Ramalho...

... chamado (A)variado...

Eh pá, o espetáculo está de mais. Se as pessoas querem ver uma coisa diferente, vão ver isto.

Fala primeiro do Got Talent e da avaliação.

Nós fazíamos um work in progress em que tínhamos conceitos e a seguir estávamos meia hora a uma hora a falar com o público. Alugámos a Sociedade Instrução Guilherme Cossoul. Não é fácil para um artista quando põem em causa tudo o que tu fazes. Estou habituado a que me façam isso, é sempre com um grão de sal. É difícil, as pessoas não têm noção do que estão a fazer. É o que estás a fazer, o que pensas que estás a fazer e o que os outros estão a ver-te fazer, e às vezes as coisas não coincidem. Nós estamos ali para ver o que corre mal e há dias em que é duro. Gosto quando corre bem. E gosto de dar uma palavrinha, às vezes não passa no programa, é editado: "acho que ali cometeste este erro". Por vezes é um bocado técnico.

Gostas de fazer o programa?

Eu adoro ver espetáculos e sinto-me privilegiado por ver coisas que não aparecem no prime time em Portugal, são atuações que vês nos programas da tarde a encher. Ali são a estrela. E quando passam para as galas, aquela metamorfose, aquele crescimento, aquela evolução... adoro ver aquilo, ver alguns que estão em bruto. Esteve lá um que era do tipo circo itinerante. Quando foi às galas parecia do Cirque du Soleil, a produção fez um

trabalho maravilhoso, em conjunto com ele. Eu adoro ver espetáculos. No ano passado em Edimburgo vi 130, bati o meu record. Cinco por dia durante 26 dias. É uma profissão.

Estás a falar do Festival Fringe de Edimburgo. Já vamos falar disso mais à frente.

Eu baralho tudo.

O que é o Tochas & Telmo, o (A)variado?

Eu já tinha trabalhado com o Telmo Ramalho e ele estava sempre a desafiar-me para fazermos uma coisa os dois. Finalmente conseguimos. Resolvemos criar um espetáculo de sketch comedy, não sabíamos bem como aquilo ia ser e não sabíamos se ia resultar. Era um desafio. Temos uma química incrível. Sabes aquilo - eh pá, onde é que ele esteve a minha vida toda? Explorámos todo o tipo de sketch comedy, muito interativo mas uma interação em que as pessoas têm vontade de participar connosco. É muito físico. No fim parece que levámos um enxerto de porrada cada um, aquilo puxa mesmo por nós. Era uma experiência, estávamos na Guilherme Cossoul que tem 70 a 80 lugares. A Sandra Faria, da Força de Produção, foi lá e disse "isto está de mais, nunca vi nada assim". Querem vir para o Villaret?

Estão no Villaret às quartas-feiras.

Está a correr bem. Só posso dizer uma coisa, não queria revelar muitas piadas: no fim do espetáculo estamos meia hora a limpar o palco. Aquilo descamba. Se quiserem ficar na primeira fila levem uma roupa mais velhota, não vá o diabo tecê-las.

Há espetáculo hoje à noite e nos dias 18 e 25. Continuam em maio?

Não sabemos ainda, mas o objetivo é fazer esta experiência, porque Tochas & Telmo é uma marca que estamos a criar, as pessoas ainda não conhecem. Queremos ver se cresce um bocadinho. Estamos a pensar voltar, não sei se vai ser logo em maio. Gostamos mesmo de trabalhar os dois, já temos aí ideias, maluqueira.

Parabéns, fizeste há poucos dias 46 anos.

Estou tão velho, tão destruído, preso por arames. Até aos 45 estava fresco, fiz 46 há duas semanas, pumba. E o espetáculo Descobrimentos é sobre

isso. Quando comecei a promover o espetáculo havia uma foto minha em frente à Ponte Vasco da Gama e as pessoas pensaram que eu ia falar sobre os Descobrimentos Portugueses. São coisas que vamos descobrindo ao longo da vida. A noção que eu tinha do que era ter 45 ou 46 anos não era o que eu estava a viver. Sou de uma terra pequena, do interior.

De Avelar.

De Avelar. Quando eu tinha dez, uma pessoa de 45 estava a morrer, dávamos uma semana de vida a este gajo. Agora tu vês as pessoas de 45 ou 50 e estão mais saudáveis, com melhor aspeto.

Tu próprio, apesar de estares a cair em pedaços.

Dão-me no máximo 44. O cérebro continua fresco. As pessoas antes tinham uma vida mais pesada. Às vezes o corpo não corresponde às ideias. Quero fazer uma coisa e já não... ui. Neste espetáculo com o Telmo... antigamente eu acabava e fazia outro. Agora preciso de um dia para recuperar. Uma coisa muito simples: se vou dormir num hotel e a cama não é tão boa, eu acordo todo dorido. Quando tinha 20 anos, dormi uma semana numa cadeira. Agora, se tenho uma dobra no lençol, passo uma semana a recuperar, é de doidos. É o corpo todo destruído.

Há mais coisas que descobriste e são boas?

Sim, sim. Conto histórias do meu pai, coisas que ele descobriu. A última coisa que eu descobri, aos 46 anos, é que gosto de anonas. Nunca tinha comido anonas. Eu sou classe trabalhadora, finalmente juntei dinheiro para comprar uma anona.

Um dia destes estás a tratar as pessoas por você.

Comprei uma anona, até foi a Raquel, a minha mulher, que comprou. Eu não queria experimentar, aquela cena à velho, não quero, não gosto, já provaste? Não, sou contra fruta que por fora não parece fruta, isto parece que andou à porrada. Adorei. Agora adoro anonas. É espetacular. A sério, se vocês têm 20 anos, não comam uma fruta, deixem uma fruta para descobrir aos 45. Não comam peras nunca na vida, chegam aos 45, as peras são de mais! Não comam nêsperas, chegam aos 45, uau, adoro!

Para poderes descobrir qualquer coisa na vida?

De repente descobres uma fruta que nunca provaste.

Mas as anonas são deliciosas.

Sabem a anona! Tem aquelas pevides, mas pronto.

Mais coisas que descobriste ultimamente?

Descobri que tenho paciência para algumas coisas, não tenho para outras. Há uns 15 anos eu fazia um espetáculo, se alguém me chateava eu entrava logo a matar. Na semana passada, havia uma velhota que não se calava. Eu estava a tentar criar tensão, ela achava que era para ela falar.

Falava contigo?

Sim, metia-se comigo. Acho que ela não estava lá, estava num mundo à parte. Eu estava a fazer o espetáculo com uma velhota o tempo todo a tentar... A certa altura era quase só eu e ela. A sério, a minha vida às vezes não lembra ao diabo.

E conseguiste resolver isso bem?

Consegui, ela depois calou-se ou adormeceu, não sei, deu para continuar o espetáculo.

Continuas a fazer, sobretudo lá fora, O Palhaço Escultor, a tua peça histórica. Vais fazer em Avelar?

Na minha terra. É sempre chato porque eles nunca me acharam graça, não vai ser agora.

É a primeira vez que vais atuar lá?

Não, já fiz várias vezes. Há um ano fiz lá um espetáculo para ajudar a associação que na altura dos incêndios recolheu as pessoas. Estavam a ter um jantar e começaram a aparecer pessoas e ficaram dois dias a fazer comida. Pediram-me para fazer um espetáculo de recolha de fundos e fizeram uma coisa que normalmente não acontece: toda a gente comprou bilhete, até o pessoal da organização. Já me aconteceu ir fazer um espetáculo de recolha de fundos numa sala esgotada e só tinham vendido s oito bilhetes. Mas que raio de recolha de fundos é essa? Um espetáculo de graça para toda a gente? Na minha terra toda a gente pagou.

Não te acham graça na tua terra?

É aquela velha história. Quando eu comecei como palhaço de rua, numa terra pequena, o meu pai trabalhava numa fábrica. Deixei um curso de Engenharia Química para andar na rua. É a pior decisão de todos os tempos, temos de ser realistas. Correu bem mas não é uma boa decisão. Começaram a gozar o meu pai - "o teu filho é palhaço, vi-o na rua a pedir esmola", porque eu passava o chapéu. Gozavam, gozavam. Quando sai a campanha da Frize, "Ó Zé, sempre acreditei no rapaz". Passei 13 anos a ser gozado porque era o palhaço. Há várias maneiras de chamar palhaço à pessoa, noto logo quando é carinhoso ou a atirar para baixo.

Tens de dizer que és orador motivacional.

A essas pessoas nem digo nada. Outro descobrimento que fiz: eu não perco tempo com o que não gosto. Admiro aquelas pessoas que não gostam de uma coisa e fazem posts na internet e fazem isto e aquilo. Eu não tenho tempo para o que gosto, para que é que vou perder tempo com o que não gosto? Coisas que são uma questão de gosto, não vão afetar a vida. Não gostei, nem perco tempo, vou ver outra coisa. E descobri: estou com as pessoas de quem gosto, com a família. Isto é tudo muito rápido. Não tenho tempo para aquele negativismo, aquelas pessoas que parece que está sempre a chover em cima, que parece que andam com uma nuvem? Para elas, não é depressão-doença, é depressão-estilo de vida. Sofrem mais do que toda a gente, já não tenho paciência.

Então vais atuar em Avelar em 23 de junho?

É sempre complicado, as pessoas viram-me a crescer, mas noto que há muito carinho. Principalmente a nova geração. Há uma geração mais velha que não percebe bem o que faço. Então você vai à empresa? Vou. O que faz na empresa? Vou lá falar. Mas pagam-lhe? Sim. Pagam-lhe para ir falar à empresa? Sim. Então está o dia todo a falar? Não, 45 minutos. Pagam-lhe para falar 45 minutos? Isto faz uma confusão às pessoas.

Passam as pessoas uma vida inteira a trabalhar na empresa e tu vais lá 45 minutos.

Esquecem-se que são 25 anos de trabalho, de formação, de suor, de lágrimas, tudo ali condensado. Passamos meses a preparar um espetáculo ao vivo de uma hora. No espetáculo com o Telmo, nós queríamos que fosse muito orgânico e as pessoas dizem que improvisamos tudo. Trabalhámos imenso para parecer que não tem trabalho, que é tudo ao acaso.

Lembro-me de contares que o teu pai um dia te pediu ajuda e tu estava a treinar com balões.

Estava a equilibrar um balão no nariz. É difícil. E o meu pai chamou-me para o ajudar. "Pai, eu estou a trabalhar". É difícil as pessoas perceberem quando tens um trabalho um bocado diferente. Ver coisas é trabalho, estar a escrever ou a imaginar, a treinar malabarismo, é trabalho. Mas não é a definição de trabalho que as pessoas têm. Agora mudou.

Mudou o quê?

Há 15 anos, perguntavam-me: O que é que faz? Sou comediante. A pergunta seguinte era: isso dá dinheiro? Lentamente mudou para: Está aqui na zona, vai fazer um espetáculo? Em Inglaterra as pessoas já tinham essa atitude, e em Portugal começam a ter. Já encaram como uma carreira artística, uma carreira em que uma pessoa pode ganhar a vida e querem saber onde vou estar. Isso foi uma grande mudança.

Onde vais estar?

Tenho o Tochas & Telmo no Villaret, às quarta-feiras, Descobrimentos em Torres Novas (5 e maio), Leiria na véspera do Festival da Canção (11 de maio), as pessoas podem rir e veem o festival da Eurovisão no dia a seguir, e no Porto (24 e 25 de maio) no Palácio do Bolhão. É um espaço incrível, adoro aquele Palácio do Bolhão, é um teatrozinho que tem 150 lugares, ultra-íntimo.

Continuas a ter essa energia e a criar coisas novas. Há coisas inatas em ti mas há aqui muito trabalho. Estudaste não só em Inglaterra como em Nova Iorque e continuas a fazer isso.

Neste verão, já marquei, há uma escola que faz workshops no verão, o Celebration Barn [Theater], no Maine, nos Estados Unidos, de Boston para cima, viras à esquerda. Vou fazer um workshop de clown. E depois vou para a convenção de oradores, são quatro dias e no primeiro dia têm uma coisa para principiantes. Fui lá cinco vezes e pensei: se vou gastar uma pipa de massa... faço sempre o primeiro dia. Estou sempre a fazer aquilo para principiantes e todas as vezes aprendo mais uma coisinha.

Mais que não seja, vou ao básico, aos alicerces. Uma pessoa tem de voltar ao início para reforçar os conhecimentos. Tento fazer sempre formação, ver muita coisa, analisar com olho crítico, falar com pessoas do meio, debater ideias. Há o instinto e há pessoas com mais vocação para certas coisas, mas com formação dás saltos enormes. Em vez de estares ali a bater com a cabeça nas paredes, a formação ajuda em todas as áreas. Um professor meu, quando alguém dizia "estava inspirado", respondia: a inspiração é uma pepita de ouro que está debaixo de estrume. Tu estás ali a cavar e encontras aquilo e dizes: ah, a inspiração! Mas andaste ali duas semanas. Há um escritor que dizia: "só escrevo quando estou inspirado, estou é estou inspirado todos os dias às nove da manhã" [Peter De Vries, 1910-1993, EUA]. Temos de continuar a fazer coisas, a tentar criar, porque com a idade a pessoa fica menos criativa.

As tuas idas anuais a Edimburgo, ao Festival Fringe, são também uma fonte de inspiração?

Há pessoas que vão para a praia ou para a montanha. Nós vamos para cidades ou para sítios onde possa, além de fazer férias, ver espetáculos. Vou uma semana a Londres, tenho de ver um espetáculo por dia, de todo o tipo. Se só se vê comédia é uma pescadinha de rabo na boca. Em Las Vegas vi uma luta de UFC [Ultimate Fighting Championship] do MMA [Mixed Martial Arts] queria ver como era a produção daquilo tudo. Uma coisa é estar a ver na televisão, outra coisa é o evento em si. Gosto de saber como essas coisas são feitas, gosto de andar pelo mundo a ver coisas.

É o teu lado de engenheiro químico.

Olha que é verdade.

Aconselhas toda a gente a ir ao Fringe de Edimburgo?

É o maior, o melhor festival do mundo. No ano passado, havia em média, durante quatro semanas, 1500 espetáculos por dia. Tens das coisas mais sublimes e geniais à maior porcaria. É um festival aberto, e começa de manhã e vai até à noite.

É em agosto?

Em agosto [3 a 27 de agosto, em 2018]. Almoçávamos, víamos um espetaculozinho, comíamos qualquer coisa e víamos dois, jantávamos e víamos mais dois. Cinco. Uma hora cada um. Isto durante 26 dias. Tem espetáculos ultra-produzidos e outros mínimos. Vi um espetáculo muito engraçado num pub. As pessoas sentavam-se e estava uma mesa no meio a dizer reservado. Entrava uma pessoa, sentava-se, pedia uma cerveja e começava a contar: "vocês não acreditam no meu dia, aconteceu-me isto, aconteceu-me aquilo". Pedia a conta e ia-se embora. O espetáculo era ele a contar o que lhe tinha acontecido. Outro banho, um contentor. As pessoas ficavam todas encostadinhas na parte de trás, entravam quatro atrizes e era a conversa de mulheres na casa de banho, "olha aquela, aquela maluca estava a meter-se com ele". Quatro mulheres a conversarem na casa de banho.

E tu o que fazes?

Eu faço O Palhaço Escultor, porque há espetáculos de rua. Estava só a falar dos de sala, mas além disso há uns oitenta de rua por dia. A única desvantagem é que o clima de Edimburgo não lembra ao diabo. Apanhamos dias piores que o nosso inverno, em agosto! Já apanhei lá molhas alucinadas. Mas em Edimburgo vês coisas maravilhosas. Eu estou a fazer espetáculo e estou a passar o chapéu e há um que diz "abre a mão". Quando dou por ela, mete-me na mão uma carrada de droga, de marijuana. "É para fumares". Ele acaba de me dar aquilo e passam dois polícias: "bom espetáculo!" Obrigado... Ainda bem que ele não meteu no meu saco, porque ficava o saco a cheirar a droga e eu ando sempre em aeroportos, estava lixado. Eu não fumo, não bebo e também não consumo drogas.

Tu caíste no caldeirão quando eras pequenino.

E eu à rasca com aquilo na mão, chego ao pé de um amigo que estava na parte de trás, "eh pá deram-me isto", ah mas "tu não queres pois não, Pedro? Eu desenrasco-te". Foi-se logo embora e passado um bocado já se estava a rir. São as coisas que me acontecem. Adoro estar lá. Gosto de fazer espetáculos.

De rua?

Gosto de fazer espetáculos de rua, de palco, coisas ao vivo, gosto mais que de televisão. Gosto de fazer, gosto de estar a olhar para a primeira fila a ver todo a gente a meter-se comigo. Gosto de estar com o Telmo e deixar o teatro todo destruído. Fizemos uma temporada no Trindade, telefona-nos o diretor: "o que se passa que tenho as paredes a escorrer?" Adoro estar na rua, onde acontecem as coisas. O espetáculo vai ter às pessoas. Em Edimburgo, um senhor chega ao pé de mim: "Obrigado. Hoje o dia não me correu bem, tive um dos piores dias dos últimos tempos. Estava deprimido e nem costumo passar por aqui. Apanhei o seu espetáculo e comecei a ver. Passado um bocado já estava a sorrir. Sabe uma coisa? Amanhã é outro dia. Obrigado." E foi-se embora.

Não há prémio melhor do que isso?

Não há. Por isso é que adoro, os espetáculos de rua vão ter com as pessoas, numa sala a pessoa é que vai ter com o espetáculo.

Mas em Portugal raramente fazes rua.

Porque em Portugal isto é um bocado complicado, a polícia chateia-te, os comerciantes acham que tu em vez de estares a criar um bom ambiente...

Faz falta um festival desses?

E nós temos um dos melhores climas, dá para fazer muito mais do que nos outros países. Nos outros países ainda está um gelo, e aqui já está agradável, dá para estares na rua. Já se está a tentar em Lisboa. Mas estamos a falar do Fringe, um festival que tem 70 anos.

É fácil arranjar lugar para dormir? A cidade está preparada?

Marco logo em janeiro e é mais fácil se se ficar um bocadinho mais longe do centro. Se quiserem ir, comecem a pensar nisso, não pensem só em agosto. E depois pegas nuns dias e vais fazer uma viagem pelas Highlands. A cidade é linda. Do que eu mais gosto é quando chove todo o dia, está tudo molhado, e às duas da manhã estás a vir de um espetáculo e há um nevoeiro e o reflexo das luzes nas pedras da calçada, aqueles becos, e tu sentes: vai-me aparecer um fantasma. Adoro aquilo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de