Usa o telemóvel enquanto conduz? O risco de acidente é 20 vezes superior

O uso do telemóvel durante a condução torna mais lentos os tempos de reação do condutor e aumenta 20 vezes o risco de colisão. Temas em debate no ISEP, onde um simulador prova estes dados.

O Instituto Superior de Engenharia do Porto promove um seminário sobre sinistralidade nas estradas e as consequências do uso do telefone durante a condução. Um encontro onde é possível, através de um simulador, perceber os perigos e as distrações a que nos expomos.

O piloto Nuno Batista está ao volante do simulador e mostra que ter experiência na estrada não chega. "Este é o Circuito do Estoril, vou dar duas voltas no simulador, porque isto é muito real e o carro está com os pneus frios. Depois o Luís Miranda vai ligar-me, enviar mensagens e vão ver o efeito desta distração na minha condução."

O piloto Nuno Batista, campeão em Portugal e Espanha na categoria GT, vai mostrar que mesmo para alguém com muita experiência ao volante, os telemóveis são um fator de distração e estão na origem de muitos acidentes.

O telefone toca, o piloto atende e a condução reflete a distração. "Acho que deu para perceber a diferença na concentração, eu comecei logo a fazer pequenos erros. Perco a noção da trajetória onde estou, perco a noção dos pontos de travagem e de aceleração, não consigo meter as mudanças...".

O piloto Nuno Batista conduz o simulador que vai estar presente no seminário organizado pelo ISEP. O Instituto Superior de Engenharia do Porto vai debater o peso das novas tecnologias na sinistralidade rodoviária. Luís Miranda Torres, faz parte da organização e explica que "a utilização do telemóvel para chamadas de voz aumenta em 6 vezes o risco de acidente, no caso do uso para redes sociais o risco aumenta para 20 vezes".

De acordo com dados recentes da sinistralidade rodoviária: o uso do telemóvel durante a condução (mesmo em mãos livres) aumenta 4 vezes o risco de colisão; os tempos de reação do condutor são 50% mais lentos. Também está provado o aumento do número de atropelamentos devido ao uso do telemóvel.

"Mais do que estes dados estatísticos todos nós podemos comprovar no dia-a-dia que se conduzirmos de uma forma mais calma podemos poupar combustível. Todos podemos reduzir até 30% dos consumos e emissões conduzindo mais devagar".

O professor Luís Miranda Torres explica que o manuseamento do telemóvel aumenta cerca de 20 vezes o risco de acidente.

"Não conseguimos processar da mesma forma duas coisas em simultâneo. Quando vamos nos trajetos do dia-a-dia damos por nós a conduzir em modo piloto automático, por essa razão estamos menos atentos aos detalhes. Se acrescentarmos um telemóvel vamos estar a processar duas informações em simultâneo, o que diminui capacidade de antever e reagir antecipadamente a alguns perigos. Por outro lado, se usarmos o telemóvel para envio de mensagens de texto não só vamos tem uma mão no volante, mas também vai retira oportunidade de reagir a situações de risco. Aumentando o risco de acidente em cerca de 20 vezes".

O Seminário "Efficient and Safe Mobility" tem como público-alvo prioritário os mais jovens.

"Ainda não têm experiência e por falta de maturidade incorrem mais facilmente nestes perigos. Mas vemos pessoas de todas as idades a cometer estes erros", diz o professor.

Luís Miranda Torres explica quais os temas em debate no seminário: "Num primeiro painel vamos falar de segurança rodoviária e estará presente desde a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, GNR, Associação Estrada mais Segura, APETRO, etc. Num segundo painel vamos ter uma parte de demonstração, sensibilizar in loco para as pessoas perceberem os riscos que corremos no dia-a-dia".

O seminário termina com uma parte prática, o simulador nas mãos do piloto Nuno Batista. "A mensagem é em ambiente controlado provar que o uso do telemóvel potencia o acidente e é algo que devemos evitar."

O Seminário "Efficient and Safe Mobility" realiza-se esta quinta-feira no ISEP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de