"Cada macaco no seu galho"

Num artigo publicado no Observador intitulado "O País onde não se pode fazer discursos", Maria João Marques remete para o tamanho alarido gerado, de uma ala a outra, em Portugal, a propósito do discurso pouco ortodoxo de João Miguel Tavares, jornalista, outrora padeiro em Portalegre, aquando das comemorações do 10 de junho, para alguns intelectuais de plantão, concluindo que - e vou parafrasear - "o "cada macaco no seu galho" não é exatamente uma ideia consonante com uma democracia, onde se defende que cada macaco pode aspirar a qualquer galho. É antes uma visão do mundo profundamente reacionária e, ela sim, antidemocrática".