"Estou num tal momento de espanto e de revolta que não consigo pintar nada"

"Estou num tal momento de espanto e de revolta que não consigo pintar nada"

A segunda mulher a quem a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro atribui o doutoramento honoris causa, depois da escritora Agustina Bessa-Luís, fala de "uma enorme honra" e do reconhecimento "pela forma como eu vivo no mundo como mulher e pela obra que tenho feito como artista". Não tem pintado, mas sabe que a arte sobreviverá sempre "à barbárie dos tiranos" e, quando passar a revolta e o espanto, Graça Morais voltará a debruçar-se sobre a tela para deixar o seu testemunho "de liberdade e de resistência."

Projeto Malacate. Há um novo ninho na aldeia das Minas de São Domingos

Projeto Malacate. Há um novo ninho na aldeia das Minas de São Domingos

As cores das ruínas no antigo edifício da indústria mineira e os pássaros que por ali nidificam captaram o olhar de Lise Wulff. A artista norueguesa chegou em novembro do ano passado, voltou em março e aí está um novo ninho, na aldeia das Minas de São Domingos. Old Space, New Volume, é este o nome da instalação construída com a ajuda da comunidade. A nova menina dos olhos do projeto Malacate, cuja intervenção artística é assinada pela companhia Cepa Torta, depois de aceitar o desafio proposto pela câmara de Mértola, é só uma das tantas artes que vão habitar a aldeia até julho do próximo ano.

Ilustração de André Carrilho

"Dar de Beber aos Olhos." A homenagem ilustrada ao "mano Cotrim"

A partir deste sábado, o Espaço Ilustração, em Setúbal, passa a chamar-se Espaço João Paulo Cotrim. A primeira mostra é a homenagem de 11 artistas que trabalharam com ele. São 22 ilustrações, algumas desenhadas para a ocasião, que recriam a figura e o talento do escritor e editor da Abysmo, que faleceu em dezembro. Uma das frases desenhadas nas ondas da rádio por José Teófilo Duarte, curador da exposição, diz quase tudo: "É uma forma que nós temos de tentar estar com ele, estando uns com os outros."

A outra máquina de fazer espanhóis

A outra máquina de fazer espanhóis

Desenhos, pinturas e uma parede. Assim se agigantam as palavras de Valter Hugo Mãe. O traço de Juan Domingues descreve "com outra liberdade", uma espécie de caligrafia da velhice. Ao longo de toda a semana, empoleirado num escadote, foi desenhando o seu livro. A parede é o seu olhar e são as suas memórias. Partilham agora o espaço da Zet Gallery, em Braga, com a reprodução das ilustrações que deram vida ao romance do escritor, "A Máquina de Fazer Espanhóis", reeditado em novembro do ano passado, pela Porto Editora. E são um convite à reflexão. A exposição inaugura este sábado. Para ver, tocar e até manipular.