"A violência contra as mulheres representa 79% deste custo"

Portugal gasta 8,4 mil milhões de euros por ano por causa da violência de género

O Instituto Europeu para a Igualdade de Género fez as contas e apurou os custos da violência de género: 56% da fatia vai para o impacto físico e emocional, seguido do custo nos serviços de justiça criminal, com 21%, e, ao nível da economia e do trabalho, perde-se 14% do valor global que é de 8400 milhões de euros, um impacto que pode ser comparado da seguinte forma: é o mesmo que três fábricas da Autoeuropa deixarem de produzir.

Pobre não poupa

Pobre não poupa

Entrevistado pelo jornal "Folha de São Paulo", o ministro brasileiro da Economia afiançou que "o pobre não poupa". A frase de Paulo Guedes, lida na fiada restante, parece, paradoxalmente parece, coisa de pobre. Afinal o ministro não poupou, ele também, nos considerandos: "Um menino, desde cedo, sabe que é um ser de responsabilidade quando tem de poupar", disse ele, abrindo uma nesga do mealheiro intelectual conquistado na escola de Chicago. "Os ricos capitalizam os seus recursos. Os pobres consomem tudo", proclamou, ainda, o homem que não esconde o fascínio pelas reformas económicas realizadas no Chile de Pinochet e pelo modelo chileno de capitalismo.