Noreena Hertz

"Solidão é crise de saúde pública mundial. As redes sociais são as empresas de tabaco do século XXI"

Na parte de fora de uma estação de comboios, hora de ponta, em Houston, Estados Unidos da América, Noreena Hertz fez as contas às pessoas que por ela passavam, a correr ou com os olhos vidrados num ecrã de telemóvel, sem a olhar. Ao fim de 50, parou a contagem e o exercício. Entrou em salas de conversas virtuais e de jogos online, e imaginou, sem grande esforço, um mundo a caminhar para um convívio delegado aos hologramas das pessoas.