autismo

Autismo: Terapia assistida por cães

A terapia com cavalos é uma das mais conhecidas para ajudar as pessoas que sofrem de autismo, mas em Portugal começam a surgir outras ofertas com os mesmos objetivos. A terapia assistida por cães é um desses caminhos.

Celebra-se hoje o Dia da Consciencialização do Autismo, uma disfunção que afeta a capacidade de comunicação, de socialização e comportamento. Não tem cura, mas há experiencias que contribuem para uma melhor integração dos que sofrem da doença.

A terapia assistida com cães é a vida de Raquel Pacheco, que há três anos decidiu enveredar por esta profissão, dedicando especial atenção ao autismo.

A Sara é uma cadela labrador. Assim que entra na sala, as crianças juntam-se em redor dela. Pedro não a larga um minuto. A cadela responde à chamada e corre louca para apanhar a bola que a criança, autista, não se cansa de atirar.

Miguel, sentado numa mesa, onde brinca com massa de farinha e água, resmunga quando é chamado para a terapia, mas quando se aproxima de Sara, em poucos segundos sorri e deixa-se levar pela brincadeira pedagógica.

A cadela deita-se com um peitoral de velcro colocado. Miguel descola os pedaços de tecido coloridos e com números. Miguel trocou os cavalos pelos cães há meio ano.

A mãe, Raquel Azevedo, membro da Associação de Pais e Encarregados de Educação de Alunos com Perturbação do Espectro do Autismo, nota diferenças na mudança de terapia. O filho, que não gosta de exercício físico nem de estar sentado longos períodos de tempo, com Sara faz tudo.

Raquel Pacheco é dona da Sara e responsável pela terapia assistida com cães ainda a dar os primeiros passos em Portugal.

A presidente da Associação Cães Amigos, em Gaia, Raquel Pacheco sempre gostou de animais e de cuidados de saúde relacionados com fisioterapia. A junção das duas vertentes deu lugar a uma profissão que começou há 3 anos, quando tirou um curso em Lisboa. A terapia assistida por animais é válida para todas as doenças mentais e motoras, desenvolve a autonomia, a auto-estima e a socialização das crianças.

  COMENTÁRIOS