Comissão Europeia

Bruxelas propõe lei mais dura para tabaco

A Comissão Europeia adotou uma proposta de revisão da lei comunitária relativa aos produtos do tabaco, que endurece as regras existentes.

Com o objetivo de prevenir o consumo de tabaco, Bruxelas quer que aplicar regras mais apertadas em relação à composição, venda e apresentação dos produtos do tabaco.

O comissário europeu para a Saúde e Defesa do Consumidor, Tonio Borg, afirma que a Comissão Europeia quer combater o número trágico de mortes provocadas pelo vício.

«Na união Europeia, 700 mil cidadãos morrem prematuramente por causa do tabaco. Isto significa que uma cidade do tamanho de Frankfurt ou Palermo é riscada do mapa europeu em cada ano», adiantou.

Na apresentação da proposta para a revisão da diretiva do tabaco, Tonio Borg afirmou ainda que os custos do consumo de cigarros vão muito para além da saúde dos fumadores.

«Gastamos cerca 25 mil milhões de euros por ano na cura de doenças dos fumadores e com a relação entre o consumo de tabaco e a produtividade. Mas a primeira questão é obviamente a saúde», disse.

O comissário quer que os cigarros sejam vendidos em embalagens com cores pouco atractivas e com fotografias chocantes para prevenir o consumo entre os mais jovens.

As indústria tabaqueira ficará ainda proibida de incluir sabores artificiais nos cigarros.

«Cigarros com sabor a chocolate ou baunilha, mascarando o forte sabor do tabaco e tornando mais fácil para os jovens começarem a fumar, o que propomos é uma proibição de alguns produtos que introduzem e notório sabor», afirmou.

A proposta hoje apresentada revê uma diretiva com mais de uma década as novas regras deverão ser transpostas para as leis nacionais, dentro de 3 anos.