Censos 2011

População portuguesa cresceu nos últimos anos

A população portuguesa cresceu na última década. A estrutura da família alterou-se, há agora mais famílias monoparentais, mas os casais com filhos são ainda maioritários.

As estatísticas revelam um crescimento da população mas Anabela Mendonça, coordenadora do Censos 2011, identificou uma situação preocupante.

«É significativo dizer que esse crescimento fez-se, essencialmente, à custa do saldo migratório e não à custa do saldo natural», disse.

Até porque, sublinhou Anabela Mendonça, a subida de 2% não se reflete de forma uniforme no país.

A população desce na região do Alentejo, acentuando a desertificação, e aumenta no Algarve, Madeira, Açores e Lisboa. As estatísticas mostram que metade dos portugueses vive em apenas 33 municipios do país.

Este estudo, o mais exaustivo de sempre, concentra também atenções na evolução da escolaridade. E neste ponto os resultados, destacou Anabela Mendonça, são animadores.

No entanto, Portugal continua com uma taxa elevada de analfabetismo, 500 mil pessoas, essencialmente idosos não sabem ler ou escrever.

Em relação à caraterização das familias portuguesas, a maioria é casada mas verificou-se, na última década, um aumento exponêncial no número de familias monoparentais. Umas e outras têm cada vez menos filhos.

Em 2011, a dimensão média era de 2,6 pessoas contra 2,8 em 2001.

O Censos revela ainda o envelhecimento da população. Nos últimos dez anos Portugal, perdeu população em todos os grupos etários até aos 29 anos; em contrapartida, o número de idosos aumentou 26 por cento.