fobias

Radares de alerta, o medo de quem tem medo de voar

Em 2006, fundou o primeiro programa português de tratamento em grupo para aerofóbicos, autora do livro "Voar sem Medo - um guia prático para voar confiante e descontraído", a psicóloga clínica Cristina Albuquerque embarca hoje para o vigésimo curso desta terapia.

São quatro viagens por ano, duas em Lisboa e duas no Porto. Desta vez, é em Lisboa que a equipa que coordena, enfrenta mais uma vez os medos de quem tem medo de voar.

Um curso intensivo de três dias que termina com um voo terapêutico. Uma espécie de aula prática para testar as técnicas desenvolvidas durante o curso.

Cada caso é um caso, diz a psicóloga clínica nesta entrevista à TSF, mas todos podem ser tratados. Há quem perca quilos na semana anterior ao voo, quem faça a viagem de olhos fechados, quem fique literalmente colado ao assento. Há também quem se atire para os braços de estranhos, grite ou simplesmente sofra em silêncio enquanto o coração dispara e a cabeça simula cenários de catástrofe. Sem parar.

Imagine uma lua-de-mel programada para ser um sonho mas é preciso ir de avião. Ou uma viagem em família a esconder-se dos filhos para quem o avião é uma descoberta e uma aventura. O que sofre quem sofre de aerofobia. São casos como estes que Cristina Albuquerque relata nesta conversa com asas para voar sem medo.