Sucesso do Passadiço do Paiva foi tão grande que autarquia pondera cobrar bilhetes

A medida está a ser estudada como forma preventiva para minimizar o impacto do elevado número de turistas que visitam o local. Durante o verão, o Passadiço chegou a receber cerca de sete mil turistas, um número excessivo para a capacidade da estrutura.

José Artur Neves diz que estão a ser equacionadas formas de limitar o número de visitantes

00:0000:00

A Câmara de Arouca está a estudar a possibilidade de limitar o acesso diário ao Passadiço do Paiva, para minimizar o impacto provocado pelos milhares de turistas que visitam o local.

O autarca fala do número de pessoas que visitam o local e a necessidade de preservar o espaço e a natureza

00:0000:00

Durante o verão, existiram dias que registaram uma afluência diária de cerca de sete mil pessoas, segundo dados da autarquia, um número demasiado elevado para a estrutura e para a preservação da natureza local.

"Caso esta afluência continue a aumentar, temos mesmo de estar preparados para limitar a um determinado número de pessoas/dia a fazer o passadiço, colocando portas de entrada, ou as pessoas previamente reservarem a ida ao Passadiço para não chegarem aqui e eventualmente não poderem aceder a todo o percurso", explicou à TSF o presidente da Câmara de Arouca José Artur Neves.

O autarca espera que as águas bravas do inverno tragam aos oito quilómetros de via ainda mais visitantes do que no verão. Por isso, estão a ser equacionadas formas de limitar a três mil o número de visitantes por dia.

Uma dessas formas pode ser também a cobrança de um bilhete, uma espécie de portagem que terá um valor simbólico, explica o autarca.

José Artur Neves diz que "a preocupação não é cobrar" mas sim "estabelecer o justo equilibrio daquilo que o espaço suporta no dia-a-dia". "a prioridade é trazer pessoas ao território, trazer pessoas que valorizem a natureza, o verdadeiro santuário que aqui possuímos", adiantou o autarca.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de