Uber

Legalização da Uber: taxistas não sabiam e não gostaram

Representantes dos taxistas admitem que ainda estão a analisar as propostas do governo, mas, à partida, mantêm o protesto agendado para 10 de outubro.

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi diz que não esperava que o governo apresentasse tão cedo a proposta para legalizar as plataformas eletrónicas de transportes como a Uber ou a Cabify.

Carlos Ramos está convencido que esta "pressa" do executivo se deve ao facto de estar marcada para esta semana uma discussão sobre o tema no Parlamento e com a grande manifestação marcada pelos taxistas para 10 de outubro.

Para reagir, as duas associações que representam os taxistas vão reunir-se esta segunda-feira de manhã com caráter de urgência, mas à partida aquilo que foi anunciado pelo governo não resolve os problemas levantados pelos taxistas.

A Federação Portuguesa do Táxi e a Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) prometem uma posição conjunta sobre a lei que o governo pretende aprovar, mas, por agora, admitem que estão insatisfeitos com várias questões do projeto.

Também hoje o PCP defendeu que projeto do Governo ameaça sobrevivência do setor do táxi.

Bruno Dias considerou que o projeto de diploma para regular a atividade das plataformas de transportes de passageiros é "uma inaceitável cedência às intenções das multinacionais".

O PCP vai esta semana vai apresentar um documento no parlamento sobre o reforço das medidas dissuasoras da atividade ilegal no transporte em táxi.

  COMENTÁRIOS