Autoeuropa

"Sindicato está a preparar 'assalto' à Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa"

O coordenador da Comissão de Trabalhadores demissionária da Autoeuropa, Fernando Sequeira, acusa o sindicato que convocou a greve para o dia 30 de agosto de estar a ir numa onda populista.

O sindicato que convocou a greve na Autoeuropa quer continuar a conversar mas a administração da fábrica diz que só negoceia com a Comissão de Trabalhadores.

Fonte oficial da Autoeuropa explicou à TSF que a negociação de acordos de trabalho é feita com a Comissão, que é quem representa os trabalhadores na empresa, lembrando que estão incluídos na Comissão representantes dos sindicatos.

Fernando Sequeira lembra que essa é a tradição na Autoeuropa e que, até agora, tem corrido bem.

Em declarações à TSF, Fernando Sequeira acusa SITE Sul, sindicato afeto à CGTP, de tentar tomar de assalto a Comissão de Trabalhadores e lembra que a produção do novo modelo automóvel é fundamental para garantir o futuro da empresa em Palmela.

Fernando Sequeira lembra que, legalmente, quem define os horários dos trabalhadores são as empresas. O parecer dos representantes dos trabalhadores não é vinculativo e, por isso, a Comissão tem optado pela negociação.

O coordenador da Comissão de Trabalhadores demissionária lembra o caso da Bimbo, que não conseguiu chegar a acordo com a empresa e os trabalhadores acabaram por ficar a perder.

Fernando Sequeira recorda ainda que o acordo que a Comissão de Trabalhadores estabeleceu com a Autoeuropa, e que foi chumbado em plenário de trabalhadores, não prevê o aumento do horário de trabalho. Apesar de a empresa passar a ter seis dias de produção, os funcionários continuam a trabalhar cinco dias, mas um deles será ao sábado e será compensado.

O coordenador da Comissão de Trabalhadores demissionária considera que o SITE Sul tem estado a divulgar informação enganadora.

A Autoeuropa tem sido vista até agora como um modelo na relação entre administração e trabalhadores. O coordenador da Comissão de Trabalhadores demissionária fala em dores de crescimento e considera normal que se lute por mais direitos, mas frisa que é fundamental que a produção continue em Portugal.

Depois de ter apresentado demissão, Fernando Sequeira garante que vai apresentar uma nova lista para concorrer à Comissão de Trabalhadores. A eleição deve acontecer em setembro.

  COMENTÁRIOS