EUA

Carro atinge várias pessoas após protesto nacionalista e faz um morto

Veículo fez algumas manobras no meio da multidão. Manifestação foi proibida pelas autoridades.

Um carro atingiu este sábado várias pessoas que estavam no centro da cidade norte-americana de Charlottesville, após a realização de uma marcha supremacista branca, fazendo pelo menos um morto e vários feridos, informou o presidente da câmara daquela cidade norte-americana.

"Estou devastado porque uma vida foi perdida aqui. Peço a todas as pessoas de boa vontade que se dirijam para casa", escreveu Mike Signer, numa mensagem na rede social de mensagens 'online' Twitter.

Segundo o autarca, os vários feridos têm diversos graus de gravidade.

O incidente ocorreu cerca de duas horas após os confrontos violentos que envolveram apoiantes de um protesto nacionalista, organizado no centro daquela cidade do Estado da Virginia, e pessoas que contestavam essa mesma manifestação

Num vídeo amador divulgado nas redes sociais, relatado pela agência noticiosa francesa France Presse (AFP), é visível um carro de cor escura que bate de forma violenta na parte traseira de um outro veículo e que faz depois uma manobra em sentido inverso, contra as pessoas.

Um repórter da agência noticiosa americana Associated Press relatou que viu pelo menos uma pessoa deitada no chão a receber assistência médica imediatamente após o incidente, que ocorreu cerca de duas horas após os confrontos violentos que envolveram apoiantes de um protesto nacionalista, organizado no centro daquela cidade do Estado da Virginia, e pessoas que contestavam essa mesma manifestação.

A mesma agência indicou que as autoridades estão no local do incidente.

Uma jornalista da AFP, que também está em Charlottesville, adiantou que viu vários feridos deitados no chão, várias pessoas a gritar, ambulâncias e veículos de bombeiros no local do incidente.

O governador da Virginia declarou o estado de emergência em resposta ao protesto e, através da sua conta na rede social Twitter, disse que tomou esta decisão para "ajudar o Estado a responder à violência" na marcha de Charlottesville, a cerca de 160 quilómetros de Washington.

  COMENTÁRIOS