EUA

"Não há lugar para o racismo, a supremacia branca e neonazis"

Ivanka Trump, filha e conselheira do Presidente norte-americano, condenou a marcha de extrema-direita, no sábado, em Charlottesville, no Estado da Virginia, que provocou três mortos.

"Não há lugar na sociedade para o racismo, a supremacia branca e os neonazis. Devemos unir-nos como americanos e ter um país unido", escreveu Ivanka Trump na rede social Twitter.

Esta tomada de posição demarca-a de Donald Trump, que acusou os manifestantes de extrema-direita e contramanifestantes antirracistas, os quais responsabilizou pela "violência de diversas partes".

O Presidente foi fortemente criticado pelos seus comentários, incluindo entre os republicanos. O senador da Flórida, Marco Rubio, instou o presidente a descrever os eventos em Charlottesville como aquilo que são: "Um ataque terrorista de supremacistas brancos".

Entretanto, a Casa Branca emitiu uma nota referindo que as críticas de Donald Trump eram extensíveis aos "supremacistas, KKK [Ku Klux Klan], neonazis e todos os grupos extremistas".

Uma pessoa morreu quando um carro atingiu um grupo de pessoas que, segundo testemunhas, se manifestavam contra o encontro de extrema-direita. Os outros dois mortos foram o piloto e o passageiro de um helicóptero que se despenhou nos arredores de Charlottesville, disse o governador do estado, Terry McAuliffe.

A polícia ligou o acidente com o helicóptero com a manifestação de extrema-direita, embora ainda não tenha fornecido mais detalhes

  COMENTÁRIOS