"A liberdade é tudo." O 25 de abril revelado pela objetiva de Alfredo Cunha

Há um novo livro de Alfredo Cunha, autor de várias fotografias emblemáticas da revolução do 25 de abril. Em 2020, o fotojornalista celebra 50 anos de carreira e para assinalar meio século de fotografias está a preparar "uma homenagem às mulheres".

A operação coordenada pelo Movimento das Forças Armadas começou durante a madrugada. Era o início do fim de uma ditadura que reinou o país durante mais de 40 anos.

Para a história do Dia da Liberdade ficaram as imagens captadas por um jovem fotojornalista. Alfredo Cunha acompanhou as colunas militares nos pontos-chave do dia 25 de abril de 1974 e foi o autor de algumas das imagens mais emblemáticas da revolução, como o retrato do capitão Salgueiro Maia.

"Fui jornalista durante 40 anos e aquilo que as pessoas me falam sempre é do dia mais feliz da minha vida. Era tão mau viver sem qualquer tipo de liberdade e aquele dia trouxe-nos de facto isso, a liberdade. A liberdade é tudo", sublinhou Alfredo Cunha em entrevista à TSF.

Nas bancas, já está o novo livro do fotojornalista "25 de abril, 45 anos", editado pela Tinta-da-china. Nesta entrevista conduzida pelo jornalista Fernando Alves, Alfredo Cunha revelou ainda que, a propósito dos 50 anos de carreira que comemora em 2020, está a preparar um novo projeto dedicado às mulheres.

"Vou fazer uma homenagem às mulheres e estou a preparar um grande projeto com a minha primeira chefe, Maria Antónia Palla. Uma grande exposição sobre as mulheres, que se chamará O Tempo das Mulheres", revelou.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de