Festival

Há FOME a percorrer o Algarve

O FOME - Festival de Objetos e Marionetas começa esta sexta-feira e prolonga-se até dia 29 de setembro em 6 concelhos algarvios. O certame começa com marionetas gigantes no espetáculo "LÚMEN- uma história de amor."

Os ensaios num pavilhão da cidade de Faro já duram há duas semanas. Tudo para começar da melhor forma o programa do Festival FOME.

"Obrigada por todos terem vindo, ninguém desistiu", diz José Gil, diretor artístico da companhia S.A. Marionetas de Alcobaça. Fala para as dezenas de voluntários, cidadãos anónimos que, entusiasmados, se ofereceram para manipular as enormes marionetas. São eles que vão fazer o espetáculo de abertura - "LÚMEN - uma história de amor", fazendo desta uma verdadeira iniciativa comunitária.

"São 10 marionetas de grande escala, duas delas com cinco metros de altura, cada uma manipulada por sete pessoas. Têm movimentos humanos e há objetos de cena com luz que vão coreografar esta história de amor", explica o ensaiador.

Mas o FOME, o Festival de Objetos e Marionetas, é muito mais do que isso. Jeanine Trévidic da ACTA - a Companhia de teatro do Algarve, a instituição organizadora do festival, salienta que estarão presentes 14 companhias portuguesas e estrangeiras e farão 34 espetáculos dispersos pelos concelhos de Faro, Albufeira, Loulé, Olhão, S. Brás de Alportel e Tavira.

E este ano o FOME fez um desafio aos artistas convidados: trazer ao festival espetáculos únicos relacionados com a gastronomia, até por que o subtítulo do festival é "& outros Comeres". E fá-lo de três formas: "Quando o próprio espetáculo utiliza utensílios de cozinha ou comida, quando o titulo do espetáculo é a gastronomia, através de metáforas" ou ainda havendo a possibilidade de assistir a um espetáculo num restaurante onde a comida foi criada a pensar nessa iniciativa

Esta sexta-feira, na primeira noite, o festival arranca com o espetáculo mais marcante, o "LÚMEN" onde que as marionetas gigantes e iluminadas fazem um percurso pela cidade de Faro entre os Largos do Carmo e da Sé.

  COMENTÁRIOS