Património

Mães à lareira, homens com raízes de urze. Os rostos barrosões contam histórias

São 30 fotografias de rostos de pessoas do concelho de Montalegre, que mostram a agrura da história e a felicidade da vida. Pedro Canedo é o fotógrafo, também ele um barrosão de "sete costados".

É no Terreiro Açougue, nome do lugar, situado a meio da encosta do Castelo de Montalegre, que se abrem as portas do espaço Padre Fontes, parte integrante do Ecomuseu do Barroso. É lá que está a sala, que foi pequena para receber a multidão que quis assistir e ver os rostos com história que Pedro Canedo capturou ao longo de mais de 40 anos.

A grande parte das pessoas fotografadas já faleceu. A cara dos panfletos que publicitam a exposição é o rosto da mãe de Ricardo Moura. Maria dos Anjos tem 96 anos e o filho, babado, nota-lhe na foto a preto e branco a sinceridade e a alegria, características da gente do barroso, diz.

"Ainda há cerca de meia hora a deixei no escano, ao pé da lareira. Vejo nesta foto uma mulher bonita e feliz. A exposição mostra muito das memórias das gentes do Barroso".

A exposição foi inaugurada um dia depois da Unesco ter consagrado o Barroso, Montalegre e Boticas, como terras de sistemas e paisagens agrícolas específicos que foram criados, moldados e mantidos ao longo de várias gerações de agricultores e pastores com base nos diversos recursos naturais e utilizando práticas locais.

Ora estes rostos ali expostos e tudo o que eles representam são exatamente as imagens do reconhecimento da Unesco, diz Orlando Alves, o presidente da autarquia de Montalegre. "São rostos de gente de trabalho na terra. Gente que toda a vida aqui viveu dos trabalhos agrícolas. São barrosões, uma designação que fica acima da pátria transmontana e que, à semelhança do que dizia Torga, são como os ouriços que ficam no cimo dos castanheiros, que dão sombra e alimento".

E o alimento para Pedro Canedo, fotógrafo por paixão, foi ao longo de quatro décadas, o clicar analógico de momentos verdadeiros e naturais que testemunham a história e que agora se mostram, salienta o autor da exposição.

"Ao longo de mais de 40 anos fotografei pessoas de várias aldeias do concelho. Chegou a altura certa para mostrar estes rostos que dizem muito do que é a nossa história. As fotos foram feitas sem poses e sempre no ambiente natural. Espero que a exposição seja como um livro onde, nestas caras, se possa ler um pouco do que foi a vida dos nossos antepassados".

"Rostos com História" é uma exposição de Pedro Canedo para ver na sede do Ecomuseu do Barroso em Montalegre até ao próximo dia 18 de maio.

  COMENTÁRIOS